Serra é eleito presidente do PSDB por aclamação

21/11/2003 - 17h58

Brasília, 21/11/2003 (Agência Brasil - ABr) - O ex-senador José Serra foi eleito hoje, por aclamação, presidente nacional do PSDB, na VII Convenção Nacional do partido. No discurso de posse, o candidato derrotado à Presidência da República elogiou seus companheiros de partido e fez críticas ao governo Lula.

Serra disse que o PSDB se mantém fiel a sua origem e a seus companheiros. "Nunca jogamos com as esperanças populares, sempre evitamos transformar esperanças em ilusões. Sempre evitamos as bravatas e o conformismo, a afobação e a perplexidade diante das dificuldades", afirmou. Ele lembrou que, no poder, o partido sempre respeitou as liberdades públicas e a ética, além de ter introduzido na política brasileira as práticas da tolerância, do respeito às divergências e da alternância no poder. De acordo com Serra, o PSDB é o partido das gestões bem sucedidas, administrando 1.200 prefeituras e oito estados, que respondem por mais da metade do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro.

Ao criticar o discurso e a prática do atual governo, Serra chamou de inconsistente a política econômico-financeira, citando os juros altos, o câmbio valorizado e o aumento de carga tributária sobre as empresas, além de cortes exemplares na área social. Citou também os cortes de verbas para saneamento e reforma agrária e afirmou que o "país está vivendo um retrocesso lento, gradual e seguro". O ex-senador disse que o Brasil estava pronto para avançar e que espera que muita coisa possa ser retificada, o quanto antes possível. Na opinião de Serra, a grande questão a ser enfrentada na economia é a do desenvolvimento, do crescimento rápido, pois, sem ele, o desemprego continuará aumentando e será difícil melhorar as condições sociais.

De acordo com Serra, em 2003, a conjuntura internacional foi muito favorável ao Brasil: juros baixíssimos nos países centrais, preços de produtos brasileiros em alta e mercados de exportação, como o chinês e o argentino, em franca expansão.