Venda de poços estimula exportação nociva de petróleo, critica ex-presidente da Eletrobrás

17/10/2005 - 17h21

Nielmar de Oliveira
Repórter da Agência Brasil

Rio – A possibilidade de atingir logo a auto-suficiência na produção de petróleo tem um lado negativo, na visão do o físico Luiz Pinguelli Rosa. Planejada pela Petrobras para ocorrer a partir de 2006, a auto-suficiência pode fazer com que as empresas que compraram poços de petróleo exportem o produto. Com um mercado interno saturado pela Petrobras, podem optar por vender no exterior.

"O grande problema é que as nossas reservas não são muito grandes", afirmou Pinguelli à Agência Brasil. "Por isso, eu vejo com preocupação a continuação dos leilões". O físico lembra que os leilões autorizam que as empresas exportem o petróleo retirado no país .

Presidente da Eletrobrás entre 2003 e 2004, Pinguelli defende que o Brasil reveja a estratégia de realização de leilões de áreas para exploração de petróleo e gás natural em nossas bacias.