Governador do Pará evita comentar acusações de omissão no assassinato da missionária Dorothy Stang

15/02/2005 - 23h02

Carolina Pimentel
Repórter da Agência Brasil

Brasília - O governador do Pará, Simão Jatene, evitou falar sobre os indícios de que o estado foi omisso no assassinato da missionária americana Dorothy Stang. "Eu acho que nem governador, nem qualquer pessoa, pode falar sobre afirmação de uma outra pessoa", afirmou o governador após reunião com ministros no Palácio do Planalto nesta terça-feira.

De acordo com assessoria da Procuradoria da República do Pará, a religiosa encaminhou diversos ofícios ao secretário especial de Defesa Social do estado, Manoel Santino, nos quais dizia estar sofrendo ameaças e informando que policias civis e militares estavam agindo contra camponeses do município de Anapu.

A assessoria informa ainda que em uma das cartas, Stang fala que pistoleiros trabalhavam para madeireiros e grileiros na região. Em junho de 2004,o procurador do estado Felício Pontes relatou as ameaças sofridas pela freira e solicitou envio de uma equipe de policiais a cidade para investigar agressões contra os trabalhadores rurais.