Japão pede que União Europeia reduza restrições a seus produtos

04/05/2011 - 17h58

Renata Giraldi
Repórter da Agência Brasil

Brasília – Sob severas restrições internacionais desde os acidentes nucleares em março, o Japão apelou à comunidade internacional para reduzir as limitações aos produtos oriundos do país. O ministro das Relações Exteriores do Japão, Matsumoto Takeaki, pediu ao primeiro-ministro da Grã-Bretanha, David Cameron, e ao chanceler britânico, William Hague, para que intercedam na União Europeia para diminuir as restrições aos produtos japoneses.

Na conversa com Cameron e Hague, Matsumoto disse que as restrições da União Europeia são um “exagero”. Ele pediu a ambos que tentem minimizar as medidas.

Paralelamente, o presidente da Tokyo Electric Power Company (Tepco), Masataka Shimizu, que é responsável pela gestão da Usina Nuclear de Fukushima Daiichi, onde houve vazamentos e explosões radioativos, visitou as 12 cidades afetadas pelos acidentes.

Ao passar pela primeira comunidade, na cidade de Hirono, província de Fukushima, Shimizu pediu desculpas aos moradores. O prefeito mostrou uma espécie de quartel-general que foi montado para servir de apoio aos moradores e também de ajuda para quem vive na cidade de Iwaki.

Nos encontros com os moradores e autoridades locais, Shimuzu prometeu intensificar esforços para controlar a situação na usina. Para as autoridades das cidades afetadas, o ideal é que a empresa que administra a usina pague uma indenização para os moradores que tiveram de deixar suas casas.

Depois do terremoto seguido por tsunami no dia 11 de março, a Usina Nuclear de Fuskushima Daiichi sofreu danos em vários de seus reatores provocando vazamentos e explosões radioativos. Para evitar o agravamento da situação, foram tomadas medidas, como o isolamento das áreas atingidas.
 

 

Edição: Rivadavia Severo