No seu segundo mandato, secretário-geral da ONU quer ajudar manifestantes no mundo árabe

31/12/2011 - 11h52

Renata Giraldi*
Repórter da Agência Brasil


Brasília –  O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, que assume amanhã (1º) o segundo mandato no cargo, disse que seu objetivo é cooperar com os manifestantes que lideraram a chamada Primavera Árabe. Desde janeiro de 2011, uma série de protestos ocorreu no mundo árabe contestando as políticas adotadas na região e pedindo mais democracia e justiça social.

Ki-moon disse que sua prioridade é ajudar aqueles que participaram na Primavera Árabe a “alcançar e garantir a liberdade e democracia”. Segundo ele, sua meta é “fazer mais” pelos jovens e mulheres. O segundo mandato do secretário-geral da ONU vai até 2017.

O mundo árabe ainda vive momentos de tensão e apreensão. As atenções da comunidade internacional estão voltadas para a Líbia e a Síria. Na Líbia, o Conselho Nacional de Transição, que assumiu o poder depois da morte de Muammar Khadafi, promete mais justiça e democracia. No entanto, o momento ainda é considerado delicado.

Na Síria, apesar dos apelos internacionais, as forças de segurança ligadas ao governo do presidente sírio, Bashar Al Assad, enfrentam com violência os manifestantes, que protestam contra as autoridades. Há denúncias, comprovadas pela ONU, de violações generalizadas aos direitos humanos, como assassinatos, violência sexual, torturas e agressões a crianças e mulheres. Cerca de 5 mil pessoas foram mortas nos últimos nove meses no país.

 


*Com informações da agência pública de notícias de Portugal, Lusa  //   Edição: Lílian Beraldo