Foram cadastradas 97% das famílias em Raposa Serra do Sol, informa representante do governo federal

14/04/2006 - 16h25

Priscilla Mazenotti e Yara Aquino
Repórteres da Agência Brasil

Brasília - Cerca de 97% das famílias não-indígenas que moram dentro da área da reserva indígena Raposa Serra do Sol já estão cadastradas e tem os perfis socioeconômicos traçados pelo Instituto Nacional de Colonização Agrária (Incra) e pela Fundação Nacional do Índio (Funai). A informação é do coordenador do Comitê Gestor de Acompanhamento das Ações Federais em Roraima, José Nagib.

Segundo Nagib, o governo federal vai retirar as famílias da área, reassentar aquelas que estão dentro do perfil da reforma agrária e indenizar as demais. Em entrevista à Rádio Nacional da Amazônia, o coordenador do comitê disse que as pessoas que ocupam áreas de até 100 hectares e optarem pelo reassentamento vão receber extensão equivalente a que ocupam. Quem tem acima disso recebe até o limite de 500 hectares.

Além disso, informou, os que optarem pelo reassentamento terão uma carta do presidente do Incra facilitar a obtenção de empréstimo junto os bancos. "Eles vão receber também uma ajuda de custo para ajudar na construção da casa e comprar equipamentos básicos." Serão R$ 5 mil para construir a casa e R$ 2,4 mil para a compra de material necessário para começar a produzir.

Nagib comentou a existência de informações desencontradas sobre o processo de desocupação e afirmou que a população deve ficar tranqüila, pois as ações serão feitas de forma "lenta e gradual". A partir de segunda-feira (17) as famílias convocadas por lista divulgada na imprensa local devem procurar a sede do Incra, em Boa Vista, para receber esclarecimento sobre o reassentamento e agendar o pagamento de indenizações.

Dados da Coordenadoria Geral de Assuntos Externos da Fundação Nacional do Índio (Funai) apontam que cerca de 240 famílias continuam na área, e 52 foram retiradas desde o início do processo de regularização. A Reserva Raposa Serra do Sol foi homologada como terra indígena em 15 de abril de 2005. Situada na região leste de Roraima, abrange mais de 1,7 milhão de hectares e abriga cerca de 15 mil indígenas das etnias Macuxi, Taurepang, Wapixana e Ingarikó.