Dificuldade de deslocamento pode ter desmotivado inscrição de peregrinos, avalia diretora

23/07/2013 - 20h34

Isabela Vieira
Repórter da Agência Brasil

Rio de Janeiro – A dificuldade de deslocamento (transporte) entre os países na América Latina pode ter sido um dos obstáculos para a inscrição de mais peregrinos na Jornada Mundial da Juventude (JMJ). Os organizadores registraram 355 mil inscrições, sendo a ampla maioria de brasileiros. Para o mesmo encontro, em Madri, na Espanha, em 2011, foram 475 mil.

A organização do evento evita comparar os números, mas a diretora do setor de inscrições, irmã Shaiene Machado, avalia que a falta de integração logística pode ter desmotivado os peregrinos. “O Brasil é um 'continente' [em referência ao tamanho do país] com dificuldade de deslocamento entre estados. Sabemos que, na Europa, o deslocamento entre um país e outro é relativamente fácil”.

Irmã Shaiene, no entanto, explica que dos 475 mil inscritos em Madri estavam incluídos os voluntários. No Brasil, onde eles somam 60 mil, não foram contabilizados. Segundo ela, a expectativa é que o número de participantes aumente nos próximos dias. As inscrições continuam abertas. “Muitas pessoas deixam para vir no final de semana. Sabemos também que é uma característica brasileira deixar para última hora”.

A organizadora negou que as manifestações, ocorridas nas últimas semanas, tenham afugentado os inscritos. De acordo com irmã Shaiene, quando os protestos eclodiram, a maioria dos peregrinos já tinha comprado as passagens. “Para o peregrinos internacionais, isso não foi um fato de decisão porque quando as manifestações começaram eles já estavam com a viagem planejada”, reforçou.

Os dados da organização da JMJ mostram que dos 355 mil peregrinos inscrito