Ibama vai pedir novas sindicâncias sobre fiscais presos pela Polícia Federal

25/06/2007 - 21h25

Alana Gandra
Repórter da Agência Brasil
Brasília - A ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, lamentou hoje (25) que tenham sido inocentados 12 dos 22 fiscais do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) suspeitos de crimes de corrupção e venda de licenças no Rio de Janeiro. "Infelizmente esses processos acontecem assim, mas tanto o Ibama quanto a própria ministra, quando analisam esses fatos, pedem novas diligências, novas sindicâncias. Isso é uma rotina na nossa prática”, afirmou.A ministra lembrou que nos últimos quatro anos foram presos 116 servidores do Ibama, dos quais mais de 24 foram demitidos. "Se formos comparar esse  processo a períodos anteriores, você há de convir que tivemos um avanço significativo em relação a essas demissões. Infelizmente, as comissões de sindicância, às vezes, não levam a resultados satisfatórios e cabe ao presidente do Ibama  e à ministra em última instância pedir novas averiguações. O tempo todo nós fazemos isso", reiterou.Marina assegurou que o titular do Ibama, Basileu Margarido Neto, tomará essa decisão tão logo seja encerrado o processo administrativo, “até porque  tivemos falhas no processo que são primárias. Não foi ouvido sequer o delegado que foi responsável pelo inquérito. Isso com certeza haverá de ser acolhido pelo presidente do Ibama”, manifestou a ministra.Os fiscais do Ibama foram presos pela Polícia Federal em novembro do ano passado e denunciados pelo Ministério Público  na Operação Euterpe, que investigava fraudes na liberação de licenças ambientais. O  ponto de partida da Operação  foi a investigação  do crime de extração de palmito na reserva do Tinguá, em Nova Iguaçu, Baixada Fluminense. Uma das espécies de palmito é conhecida pelo nome Euterpe.Os fiscais do Ibama foram acusados de emitirem pareceres técnicos favoráveis a empreendimentos localizados, em sua maioria, em áreas de preservação ambiental, em troca de dinheiro. Eles respondem pelos crimes de corrupção ativa e passiva, formação de quadrilha, prevaricação, peculato, pesca ilegal e violação de segredo funcional, entre outros.Em relação à greve dos funcionários do Ibama, Marina Silva afirmou que o ministério já conseguiu aprovar na Câmara dos Deputados a Medida Provisória  366/07 que cria o Instituto Chico Mendes  de Conservação da Biodiversidade, a partir da cisão do  próprio Ibama. A ministra  aguarda agora a manifestação do Senado sobre a matéria.