Lula começa campanha na Bahia tentando ampliar vantagem no maior colégio eleitoral nordestino

06/10/2006 - 23h56

Juliana Cézar Nunes
Enviada especial
Salvador (BA) - O candidato à reeleição Luiz Inácio Lula da Silva (PT/PCdoB/PRB) passou estasexta-feira em campanha pelo Nordeste. Fez comício e carreta em Petrolina (PE)e Juazeiro (BA). Esta noite, sobe em um palanque montado no Farol da Barra, emSalvador, juntamente com o governador eleito, Jacques Wagner (PT).De acordo com os organizadores do evento, está prevista a participação doprefeito da cidade, João Henrique (PDT), do senador recém-eleito, João Durval(PDT), além de prefeitos, vereadores, deputados federais e estaduais que apóiama candidatura petista.Com um total de 9 milhões de eleitores, a Bahia possui o quarto maior colégioeleitoral do país. É também o maior eleitorado do Nordeste, única região do paísem que Lula venceu, no primeiro turno, o adversário Geraldo Alckmin (PSDB/PFL)em todos os estados. Também é no Nordeste que o PT venceu a disputa por trêsdos quatro governos estaduais que conquistou no primeiro turno. Entre os baianos, Lula venceu Alckmin por 66%  a 26%dos votos válidos. Para aumentar essa vantagem no estado, a coordenação localda campanha quer mobilizar os políticos locais. O economista Carlos Martins,coordenador da campanha de Wagner, considera que isso será possível porque,agora, as lideranças locais estão livres das responsabilidades com as própriascampanhas."Queremos ampliar a diferença pró-Lula de 66% para 86% dos votos válidos.Acreditamos que o número de prefeitos apoiando a candidatura vaiaumentar", diz Carlos Martins. O economista também considera importanteapresentar respostas concretas para os principais problemas da Bahia.A vitória de Wagner foi construída, segundo Martins, pela apresentação desoluções para os principais desafios do estado: gerar emprego, ampliar osistema de saúde e reformular a política de segurança. "Salvador chegou ater 400 mil desempregados. Na zona rural do estado, a maior do país, cincomilhões de pessoas passam fome", afirma."Na saúde, a situação ficou crítica. Em algumas regiões do estado, aspessoas se deslocam até para Sergipe em busca de atendimento. As emergênciasestão lotadas. E, com relação à segurança, os índices são alarmantes e apresença do tráfico e cada vez maior. Temos um grande desafio pela frente",relata ele.Jaques Wagner foi eleito com 3,2 milhões de votos (52,8% dos votos válidos). Osegundo colocado na disputa, candidato à reeleição, Paulo Souto (PFL), recebeu2,6 milhões de votos (43,03% dos votos válidos).Mesmo com os 16 deputados do PFL formando a maior bancada estadual, Martinsconsidera que o governador recém-eleito terá uma boa base de apoio político."Teremos o apoio do senador eleito. E, estadualmente, calculamos que 34dos 63 deputados farão parte da bancada de apoio ao governo."