Genoíno diz que ''paciência e diálogo''marcarão discussão do mínimo

01/06/2004 - 23h21

Gabriela Guerreiro
Repórter da Agência Brasil

Brasília - Os líderes da base aliada do governo estão dispostos a convencer os 21 deputados petistas que ameaçam votar contra a Medida Provisória que fixa o salário mínimo em R$ 260 a mudarem de posição. Segundo o presidente do PT, José Genoíno, a paciência e o diálogo vão marcar as negociações até a votação da MP – especialmente amanhã-, caso o presidente da Câmara, João Paulo Cunha, e a bancada do PT decidam incluir a medida para votação nesta 4a. feira. "Não tem mudança nos R$ 260. O governo comunicou oficialmente à presidência do PT que não tem mudança. Nós podemos discutir novas propostas depois de aprovar os R$ 260", enfatizou.

Segundo Genoíno, a idéia do governo é criar uma política de recuperação do mínimo que possa vigorar a partir do ano que vem. A executiva nacional do partido, de acordo com o presidente do PT, já fechou questão em favor dos R$ 260. "Se a bancada decidir no mesmo rumo, a questão está automaticamente fechada", ressaltou.

Sobre as doações a campanhas eleitorais do PT que teriam sido efetivadas com dinheiro desviados por envolvidos na Operação Vampiro, José Genoíno disse que o partido nunca teve conhecimento de qualquer prática nesse sentido. "Ninguém no PT tem autorização no partido para fazer qualquer contato. Se houve ajuda na campanha, deve prestar contas na Justiça, mas não tem problema nenhum com o PT", enfatizou.