Banco Central espera menor entrada de investimento estrangeiro em ações

27/06/2011 - 14h55

Kelly Oliveira
Repórter da Agência Brasil

Brasília - O Banco Central (BC) reduziu hoje (27) de US$ 15 bilhões para US$ 7 bilhões a projeção para o investimento estrangeiro em papéis domésticos e ações neste ano. Segundo o chefe do Departamento Econômico do BC, Tulio Maciel, essa redução será influenciada pelo mercado acionário. “Os ingressos para ações têm sido relativamente baixos neste ano”, disse. Segundo ele, há maior incerteza no mercado internacional, o que diminui as aplicações em ações.

No caso de renda fixa, Maciel afirmou que a expectativa não teve alteração substantiva porque o aumento do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) para esse tipo de aplicação ocorreu em outubro de 2010. Portanto, a estimativa de agora já incorpora esse aumento do imposto. As revisões de projeções do BC são feitas a cada três meses.

De janeiro a maio, os investimentos estrangeiros totais em ações ficaram em US$ 3,370 bilhões, contra US$ 8,099 bilhões de igual período de 2010. As ações negociadas no país registraram ingressos líquidos de US$ 3,833 bilhões, nos cinco meses do ano, contra US$ 5,224 bilhões registrados no mesmo período de 2010. Somente em maio, houve ingresso de US$ 1,707 bilhão em ações negociadas no país. Nos dados preliminares de junho, até hoje, houve saída de US$ 1,143 bilhão.

O investimento em títulos de renda fixa negociados no Brasil registrou saída de US$ 731 milhões, de janeiro a maio, contra entrada líquida de US$ 2,154 bilhões. Somente em maio, houve ingresso líquido de US$ 424 milhões. Em junho, até 27, houve ingresso de US$ 371 milhões.

O BC também alterou a estimativa para os empréstimos no exterior, depois da elevação do IOF para operações com prazo inferior a dois anos em abril deste ano. A estimativa para os empréstimos de médio e longo prazo passou de US$ 49,8 bilhões para US$ 71,9 bilhões. No caso dos empréstimos de curto prazo, passou de US$ 27 bilhões para US$ 5,5 bilhões.

Segundo Maciel, está havendo um alongamento das dívidas. “Os ingressos de curto prazo cessaram e os ingressos de longo prazo aumentaram”, afirmou.

O BC também divulgou hoje a estimativa para a entrada de investimento estrangeiro direto no país, recursos que vão para o setor produtivo da economia. A previsão foi mantida em US$ 55 bilhões neste ano. De janeiro a maio, o investimento estrangeiro direto somou US$ 26,955 bilhões, contra US$ 11,330 bilhões em igual período de 2010. Em todo o ano passado, esses investimentos chegaram a US$ 48,438 bilhões. Somente em maio, o investimento estrangeiro direto chegou a US$ 3,970 bilhões.

Edição: Juliana Andrade