Exército atua com 210 homens em Magé, cidade com história política conturbada

07/10/2012 - 15h23

Vitor Abdala
Repórter da Agência Brasil

Magé – Cerca de 210 homens do Exército patrulham as ruas de Magé, no Grande Rio, para auxiliar a Justiça a coibir crimes eleitorais. De acordo com o assessor de comunicação das tropas, major Migon, até o início da tarde, os soldados do 32º Batalhão de Infantaria Motorizado, não haviam encontrado problemas.

O polo de abrigamento provisório, criado para receber pessoas detidas por crimes eleitorais, no Centro Poliesportivo de Fragoso, havia recebido um preso. O Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ) registrou a prisão do candidato a vice-prefeito pelo PSB, Marcos Peçanha, por boca de urna.

Magé tem história política turbulenta. Em julho do ano passado, a cidade teve eleições suplementares, depois que a prefeita Núbia Cozzolino teve o mandato cassado pela Justiça Eleitoral, por abuso de poder econômico e político.

No início da tarde de hoje (7), a movimentação era grande no centro de Magé, com um grande volume de carros e pedestres circulando. Assim como em outros municípios do estado, havia muita sujeita provocada pela propaganda eleitoral jogada nas ruas da cidade.

 

Edição Beto Coura