FAO vai disponibilizar US$ 500 mil para combate à gripe aviária na região do Mercosul, diz Graziano

12/04/2006 - 20h23

Nelson Motta
Repórter da Agência Brasil

Brasília - O Fundo das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) vai disponibilizar US$ 5OO mil para os países do Mercado Comum do Sul (Mercosul) combaterem a gripe aviária. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi informado da decisão pelo diretor do FAO na América Latina e Caribe, José Graziano da Silva, em encontro hoje (12), no Palácio do Planalto.

"A FAO está disponibilizando esses recursos em caráter emergencial, aos países do Mercosul, para ajudar na prevenção da doença e nas campanhas de esclarecimento. A Secretaria do Conselho de Agropecuária do Mercosul é que vai dar destino à cota de cada país e a cada um dos programas", disse Graziano, depois da audiência com o presidente.

Segundo o diretor da FAO, o Brasil não tem a gripe aviária, e as chances de a doença chegar ao país são "remotas". "Apesar de não termos a doença, estamos reduzindo o consumo de aves e ovos, por falta de informação. Não há perigo dessa contaminação", ressaltou.

Graziano disse que o presidente Lula gostou da iniciativa da FAO, e contou que comeu frango em visita à Embrapa [Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária], na última sexta-feira. "Ele me solicitou algumas informações adicionais sobre as medidas que a FAO vem adotando em relação à gripe aviária", acrescentou o diretor do FAO.

Além disso, Graziano deu ao presidente informações sobre a 29ª Conferência Regional da FAO, que será realizada em Caracas, na Venezuela, e contará com a presença das delegações ministeriais de 33 países, além de representantes de organismos intergovernamentais e não-governamentais, agências das Nações Unidas e observadores.

"O Brasil tem sete ministros convidados para essa conferência. Além da gripe aviária, serão discutidos temas que abordarão políticas territoriais para o desenvolvimento econômico e social do espaço rural na região", informou Graziano.