Prorrogação de dívidas dos produtores não resolve crise, diz ministro

10/04/2006 - 14h04

Cecília Jorge
Repórter da Agência Brasil

Brasília – O ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, reconheceu hoje (10) que a prorrogação do pagamento das dívidas dos produtores rurais, anunciada na semana passada, cobre "metade do buraco". Nos últimos dois anos, o setor registrou prejuízo de cerca de R$ 30 bilhões.

O pacote do governo prevê quase R$ 15 bilhões para socorrer os produtores, sendo que R$ 7,7 bilhões serão usados na renegociação das dívidas com investimento e R$ 6 bilhões nas dívidas de custeio. O restante dos recursos será destinado para a comercialização e para a agricultura familiar.

De acordo com o ministro, apenas cerca de 25% das dívidas de custeio serão prorrogadas. A prorrogação depende da análise das garantias para pagamento futuro do débito. Rodrigues ressaltou que boa parte dos financiamentos foi realizado em bancos e instituições privadas. Portanto, o governo não tem condições de interferir na renegociação.

O ministro lembrou que, apesar de insuficiente, a iniciativa do governo contribuirá para o enfrentamento da atual crise no campo: "Nós estamos abrindo um espaço relevante para os produtores retomarem o crescimento".

Segundo Rodrigues, ainda este mês o governo deve anunciar mudanças estruturais para ajudar o agronegócio, como a redução de tarifas e aumento de crédito.