ONU: país tem que combater desigualdades raciais e de gênero para continuar avançando

Imagem:

Compartilhar:

ONU: país tem que combater desigualdades raciais e de gênero para continuar avançando

Criado em 16/08/12 14h10 e atualizado em 16/08/12 16h41
Por Lourenço Lima Fonte:Agência Brasil [2]

Marcha das Vadias DF
Marcha das Vadias de Brasília protestou, em 2012, contra preconceitos e desigualdades como a de gênero e racial (Foto: Bianca Cardoso/Creative Commons)

Brasília – O coordenador residente do Sistema Nações Unidas no Brasil [3], Jorge Chediek, avaliou hoje (16) que o país obteve conquistas importantes no enfrentamento à pobreza, mas precisa combater as desigualdades raciais e de gênero para continuar avançando. Segundo Chediek, o Brasil "fez um novo milagre no século 21 ao elevar à classe média 40 milhões de pessoas e fazer ainda grande redução da pobreza, com a melhora dos indicadores globais de políticas sociais".

Mas, segundo o coordenador, esses avanços “ainda ocultam grandes problemas relacionados ao secular padrão de discriminação de gênero, raça e etnia que existem no Brasil e que não podem ser solucionados só por ação ministerial ou de governo, mas que requerem mudança cultural com a participação ativa da sociedade". Para ele, a discriminação de gênero e raça no Brasil "é inimiga do próprio progresso do país, por isso tem que ser combatida".

O representante da Organização das Nações Unidas (ONU) [4] participou hoje, em Brasília, da abertura do seminário Interseccionalidade de Gênero, Raça e Etnia: o Trabalho Conjunto na Elaboração e Implementação de Políticas Públicas. Até amanha (17), serão discutidas no evento questões relacionadas ao Programa Interagencial de Promoção da Igualdade de Gênero, Raça e Etnia, que vem sendo desenvolvido no Brasil com apoio de programas da ONU.

O seminário vai debater inovações, potencialidades e desafios em políticas públicas promovidas em conjunto pelas agências da ONU, pelo governo federal e pela sociedade civil, no âmbito do Programa Interagencial de Promoção da Igualdade de Gênero, Raça e Etnia.

Para a representante da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, Sônia Malheiros "não há como chegar à igualdade sem enfrentar as diferenças do gênero e raciais. Ela alerta que "não adianta [ter] só intenções, mas é preciso também [ter] recursos para que as políticas públicas necessárias para o estabelecimento da igualdade sejam implementadas".

O representante da Secretaria de Políticas para Promoção da Igualdade Racial [5] (Seppir), Luiz Barcelos, destacou que as iniciativas dos programas nessa área trazem grande aprendizado e contribuem para afinar o trabalho dos setores envolvidos, o que considera "fundamental para o sucesso das metas do Plano Plurianual de Investimentos [PPA], programado para 2012-2015, de forma a afetar positivamente a vida das pessoas".

Ouça reportagem da Radioagência Nacional:
 

Tags:  discriminação [6]
Creative Commons - CC BY 3.0

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Fazer uma Denúncia [7] Fazer uma Reclamação [7] Fazer uma Elogio [7] Fazer uma Sugestão [7] Fazer uma Solicitação [7] Fazer uma Simplifique [7]

Deixe seu comentário