one pixel track analytics scorecard

Digite sua busca e aperte enter


Brasília – Os ministros das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Eduardo Rodríguez Parrilla, e do Brasil, Antonio Patriota, concedem entrevista no Palácio Itamaraty

Imagem:

Compartilhar:

Patriota destaca perfil do Brasil como mediador de conflitos internacionais

Criado em 19/06/13 07h52 e atualizado em 19/06/13 07h58
Por Renata Giraldi Edição:Graça Adjuto Fonte:Agência Brasil

Brasil trará seis mil médicos cubanos para atender moradores de áreas carentes
Patriota destaca perfil do Brasil como mediador de conflitos internacionais (Wilson Dias/ABr)

Brasília – Em Oslo, na Noruega, o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, detalhou nessa terça-feira (18), por cerca de uma hora e meia, o papel do Brasil como mediador de conflitos no mundo. Patriota destacou os esforços em defesa do diálogo e da diplomacia como instrumentos para dirimir impasses. O chanceler ressaltou que o Brasil serve ainda como referência internacional pela atuação em favor da inclusão social e em defesa do desenvolvimento sustentável, da segurança alimentar e, sobretudo, da capacidade de escutar outros países.

Leia também:

Entenda o que é a PEC 37

Pelo mundo: confira locais onde acontecem novos protestos nesta quarta-feira (19)

O chanceler está na Noruega para participar do fórum internacional, promovido pelo Norwegian Peacebuilding Resource Centre (Noref) e por um grupo de pesquisadores independentes chamado de Prio. Bem-humorada, a moderadora do fórum, editora internacional da BBC World, Lyse Doucet, disse que o Brasil atualmente é conhecido por três “s”: sun (sol), samba e soccer (futebol). Segundo ela, agora deve ser acrescentado mais um “s”: o de solucionador de problemas. Doucet perguntou a Patriota como o Brasil pode ser mediador mundial.

O chanceler respondeu que o Brasil é um dos 12 países do mundo a ter relações universais, pois mantém relações diplomáticas com os outros 192 membros das Nações Unidas e mais a Palestina. Ele ressaltou que o Brasil dispõe de mais embaixadas na África do que o Reino Unido. Lembrou que o país é uma das dez maiores economias do mundo e atua ativamente em vários blocos, inclusive no G20, na União de Nações Sul-Americanas (Unasul) e no Brics (Brasil, Rússia, Índia e África do Sul).

Patriota é convidado de honra do fórum. Também participa das discussões o representante da Organização das Nações Unidas (ONU) e da Liga Árabe à Síria,  Lakdar Brahimi. O chanceler brasileiro e Brahimi devem ter uma reunião hoje (19). O ministro faz a palestra intitulada O Conselho de Segurança das Nações Unidas: Um Momento para o Multilateralismo, a Diplomacia e a Reforma.

Nas suas apresentações, Patriota costuma defender a urgência da reforma do Conselho de Segurança da ONU. Criado após a 2ª Guerra Mundial, nos anos 1940, o órgão reproduz a estrutura daquela época. Para o chanceler, é fundamental ampliar o número de assentos permanentes e rotativos na entidade.

Atualmente, o Conselho de Segurança é formado por 15 países, dos quais cinco são membros permanentes – os Estados Unidos, o Reino Unido, a França, Rússia e China - e dez são membros rotativos. Nesse caso, o tempo de duração é dois anos e depois são substituídos. A defesa por uma reforma do órgão faz parte da política externa brasileira. Em seus discursos, a presidenta Dilma Rousseff argumenta  que o formato atual do conselho não reflete o mundo contemporâneo nem as forças políticas.

Porém, a reforma do Conselho de Segurança esbarra em questões de políticas regionais e, por isso, a dificuldade de negociar um acordo em busca de consenso. Nas Américas, por exemplo, existiria apenas mais uma vaga. A disputa envolve o Brasil, a Argentina e o México que querem garantir espaço como membro titular do órgão.

Edição: Graça Adjuto

Creative Commons - CC BY 3.0

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Fazer uma Denúncia Fazer uma Reclamação Fazer uma Elogio Fazer uma Sugestão Fazer uma Solicitação Fazer uma Simplifique

Deixe seu comentário