one pixel track analytics scorecard

Digite sua busca e aperte enter


A missão de observadores da OEA prepara um relatório com vistas às eleições paraguaias, marcadas para abril de 2013

Imagem:

Compartilhar:

Oposição da Venezuela apela à OEA para verificar supostas irregularidades no país

Criado em 15/01/13 08h06 e atualizado em 15/01/13 08h38
Por Renata Giraldi Edição:Graça Adjuto Fonte:Agência Brasil

Seis pessoas estão sentadas em mesa coberta por pano azul, com o símbolo da OEA. Na parede, estão penduradas bandeiras de todos os países-membros da instituição
Por parte da oposição, existem dúvidas sobre a legalidade do processo para manter o presidente venezuelano, Hugo Chávez, no poder (Juan Manuel Herrera/OEA)

Brasília - A oposição venezuelana pediu à Organização dos Estados Americanos (OEA) que convoque o conselho permanente do órgão para avaliar a situação institucional no país. A oposição levanta dúvidas sobre a legalidade do processo para manter o presidente venezuelano, Hugo Chávez, no poder. Chávez está internado em Cuba há mais de um mês e há várias especulações sobre seu estado de saúde.

"É necessário dar conhecimento aos Estados-membros da OEA sobre a situação institucional da Venezuela, mediante a convocação imediata do Conselho Permanente, conforme a Carta Democrática Interamericana", diz o comando do partido de oposição Mesa de Unidade Democrática (MUD), em carta enviada à ONU.

Na carta, a oposição diz que "na Venezuela ocorreram fatos que configuram uma alteração da ordem constitucional que afeta gravemente a ordem democrática e que requerem a atenção e vigilância da comunidade internacional".

O apelo da oposição à OEA refere-se ao processo político e jurídico ocorrido na semana passada que considerou legal o adiamento da posse de Chávez, prevista para o último dia 10. A oposição alegou que há dúvidas sobre a legalidade do processo.

Reeleito em 7 de outubro, Chávez, de 58 anos, viajou em dezembro para Havana, Cuba, para a retirada de um tumor maligno na região pélvica. Há mais de um mês, o presidente venezuelano não é visto em público e várias informações sobre o agravamento do seu estado de saúde vieram à tona.

Antes de viajar para Havana, Chávez disse que, em caso de ficar impossibilitado de continuar a governar, deveriam ser convocadas eleições e que o atual vice-presidente, Nicolás Maduro, era o nome escolhido por ele.

*Com informações da agência pública de notícias de Portugal, Lusa.

Edição: Graça Adjuto

Creative Commons - CC BY 3.0

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Fazer uma Denúncia Fazer uma Reclamação Fazer uma Elogio Fazer uma Sugestão Fazer uma Solicitação Fazer uma Simplifique

Deixe seu comentário