one pixel track analytics scorecard

Digite sua busca e aperte enter


A delegação brasileira da Copa do México com o presidente Médici, no Rio de Janeiro, em 1970

Imagem:

Compartilhar:

MPF quer tirar nome do ex-presidente Médici de ponte em Volta Redonda

Criado em 10/10/14 13h45 e atualizado em 10/10/14 14h52
Por Cristina Indio do Brasil Edição:Armando Cardoso Fonte:Agência Brasil

O Ministério Público Federal (MPF) em Volta Redonda, região do Médio Paraíba, quer retirar o nome do ex-presidente Emílio Garrastazu Médici de uma ponte da cidade. Médici presidiu o Brasil durante a ditadura no Brasil, entre 1969 a 1974.

Leia também:

Seguro-desemprego será requerido pela internet a partir do ano que vem

Juízes têm papel educador no combate ao trabalho infantil, diz juíza

A recomendação para alteração foi encaminhada à Prefeitura e à Câmara Municipal de Volta Redonda. De acordo com o MPF, a revisão da Deliberação 1218, de 9 de novembro de 1973, atende o princípio da impessoalidade e o direito à memória. O MPF quer que os dois órgãos se manifestem sobre aceitação ou não da recomendação em 30 dias.

O pedido do MPF é para retirada do nome do ex-presidente de qualquer placa indicativa da ponte Presidente Médici. Também sugere que o novo nome seja escolhido, em 90 dias, por meio de discussão pública, com ampla participação da sociedade civil, obedecendo normas constitucionais e legais.

A ponte ligando a Avenida 7 de Setembro ao bairro de Niterói, em Volta Redonda, tem o nome do ex-presidente Médici desde 1973. Nesse mesmo ano, o município foi considerado área de segurança nacional.

Na avaliação do MPF, a escolha dos nomes de logradouros públicos tem de respeitar a Constituição e as leis que estabelecem certos requisitos, entre eles o de que pessoa viva não pode ser homenageada, a impessoalidade e a proteção à memória.

Ainda de acordo com o MPF, procedimentos instaurados na Procuradoria da República no Rio de Janeiro e informações arquivadas pelo Projeto Brasil Nunca Mais indicam que, durante o mandato do ex-presidente, “ocorreu um grande conjunto de violações de direitos fundamentais do povo brasileiro, como o cerceamento à liberdade de expressão e a outras liberdades individuais”.

Para o procurador Júlio José Araújo Júnior, a alteração do nome da ponte é importante para a proteção da memória e do patrimônio histórico-cultural. “Como o direito à memória recria a compreensão coletiva, permitindo entendimento também sobre presente e futuro, é fundamental a mudança, para não mais enaltecer um período em que tantas violações foram praticadas”, esclareceu.

Editor Armando Cardoso

Creative Commons - CC BY 3.0

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Fazer uma Denúncia Fazer uma Reclamação Fazer uma Elogio Fazer uma Sugestão Fazer uma Solicitação Fazer uma Simplifique

Deixe seu comentário