one pixel track analytics scorecard

Digite sua busca e aperte enter


CDH do Senado faz diligência para acompanhar o caso Malhãe

Imagem:

Compartilhar:

Para senadores, caseiro nega ter participado da morte de coronel

Criado em 06/05/14 13h27 e atualizado em 06/05/14 13h39
Por Isabela Vieira Edição:Talita Cavalcante Fonte:Agência Brasil

A Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa do Senado Federal informou hoje (6) que o caseiro Rogério Pires, suspeito de ter participado da morte do coronel reformado do Exército Paulo Malhães, negou envolvimento no crime. Na versão da Polícia Civil, o caseiro confessou a participação no latrocínio (roubo seguido de morte), no sítio do coronel, na Baixada Fluminense.

"Ele não confessou o crime, disse que não participou de nada, não sabia de nada, enfim, não confirmou a participação dele em momento algum", disse à imprensa a presidenta da comissão, senadora Ana Ria (PT-ES). Ela conversou com o caseiro Rogério, na Delegacia Antissequestro do Rio, acompanhada dos senadores da comissão João Capiberibe (PSB-AP) e Randolfe Rodrigues (PSOL-AP).

Segundo a presidenta da comissão, o caseiro, que é analfabeto, foi ouvido pela Polícia Civil sem  a presença de um advogado. “Nos estranhou muito uma pessoa como ele, que não sabe ler, não sabe escrever, não tem nenhuma escolarização, ter prestado depoimento sem um advogado. Isso é muito estranho”. Ela disse que Rogério não apresenta marcas de torturas e negou ter sido pressionado a prestar o depoimento à Divisão de Homicídio da Baixada Fluminense.

"Isto foi perguntado expressamente: Se ele, em algum momento, admitiu ter participado do assalto e do assassinato do coronel. Ele negou peremptoriamente. Disse que em nenhum momento admitiu isso [o crime]", acrescentou o presidente da Comissão da Verdade do Rio, Wadih Damous, que acompanhou a visita oficial da comitiva do Senado à delegacia onde está o preso.

Senadores visitam suspeito de envolvimento na morte do coronel Malhães

O caseiro também contou à comitiva que não sabia da participação dos irmãos no crime. Segundo Rogério, que ficou amarrado com a esposa do coronel durante o episódio no sítio, ele identificou os parentes por uma tatuagem já que dois envolvidos usavam capuz. Ele também revelou que um dos envolvidos falava ao telefone no momento da ação, o que pode ser um sinal da participação de mais pessoas, avalia o senador João Capiberibe. 

Para o senador Randolfe, as declarações do caseiro levantam suspeitas sobre a possibilidade execução do coronel Malhães. “Essa é uma hipóteses com que estamos trabalhando”, disse. O militar tinha confessado à Comissão da Verdade do Rio de Janeiro ter participado ativamente de tortura de presos políticos durante a ditadura militar e deu detalhes sobre a prática no Rio de Janeiro.

A Comissão de Direitos Humanos disse que solicitará imediamente auxilio jurídico ao caseiro, por meio da Defensoria Pública e Proteção à Família do caseiro. Ainda hoje, a comitiva do Senado se reúne como o chefe da Polícia Civil do Rio, Fernando Veloso, para tratar do caso. 

Editor: Talita Cavalcante

Creative Commons - CC BY 3.0

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Fazer uma Denúncia Fazer uma Reclamação Fazer uma Elogio Fazer uma Sugestão Fazer uma Solicitação Fazer uma Simplifique

Deixe seu comentário