one pixel track analytics scorecard

Digite sua busca e aperte enter


Os negros Kalungas, de Monte Alegre de Goiás, lutam por melhoria da qualidade de vida

Imagem:

Compartilhar:

Mapa dos Quilombos: a geografia da resistência

Criado em 20/11/12 13h35 e atualizado em 25/06/15 22h16
Por Léo Rodrigues e Gésio Passos Fonte:Portal EBC

Brasília - Um eldorado negro. Esse é o título da canção composta por Gilberto Gil em homenagem aos quilombos. A referência à riqueza dessas comunidades não é gratuita. Embora pesem as dificuldades financeiras e econômicas, as populações quilombolas guardam valiosos patrimônios: conhecimentos de plantas medicinais, técnicas produtivas de agricultura familiar, registro oral da história de povos negros do Brasil e uma enorme efervescência cultural que abrange a culinária, os cantos, os cultos, as festas e diversos outros tipos de manifestações.

A Fundação Palmares, órgão vinculado ao Ministério da Cultura voltado para a preservação da cultura afro-brasileira, já concedeu certificação a 2471 comunidades remanescentes de Quilombos. A certificação da Fundação é o primeiro passo para titularização da terra, que é feito pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). O Incra, entretanto, já titularizou somente 190 dessas comunidades, abrangendo 233 comunidades e 15.171 famílias quilombolas em 1.033.426,8975 hectares.

Saiba mais:

Dilma assina decretos que regularizam dez terras quilombolas

Catorze comunidades quilombolas do Maranhão esperam o título de terra

Pedido de vista suspende julgamento sobre terras quilombolas no STF

Consagrado na Constituição Brasileira de 1988, o direito à terra das populações quilombolas ainda enfrenta a burocracia e a morosidade. A luta pela demarcação do seu território é, para estes povos, uma questão crucial: só dessa forma podem preservar com segurança sua cultura e seu modo de vida.

Veja no mapa o número de territórios titulados pelo Incra (verde) e também certificados pela Fundação Palmares (vermelho) em cada estado:

O estado com maior número de territórios quilombolas titulados pelo Incra é o Pará, com 60, seguido do Maranhão, com 39. Os estados de Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais e Rondônia possuem apenas 1 território titulado e outros 9 estados e o Distrito Federal não possuem nenhum.

Segundo Lúcia Andrade, coordenadora da ong Comissão Pró-Índio de São Paulo, os quilombolas do Pará e do Maranhão foram pioneiros na luta pela regularização de suas terras e conseguiram articular aliados na sociedade e no interior dos governos. “O número maior de territórios titulados deve-se, sobretudo, à ação do governo estadual. O Instituto de Terras do Pará foi o primeiro do país a conceder o título de posse de terra a uma comunidade quilombola. No Maranhão, todos os 23 títulos foram outorgados pelo governo estadual”, relatou Lúcia.

A Comissão Pró-Índio de São Paulo possui hoje um dos mais completos catálogos das comunidades quilombolas do Brasil (http://www.cpisp.org.br), fruto de um monitoramento dos registros nos órgãos responsáveis. Fundada em 1978, a ong reuniu antropólogos, advogados, médicos, jornalistas e estudantes envolvidos na defesa dos povos indígenas diante das ameaças do regime militar. Atualmente, desenvolve um trabalho junto aos índios e quilombolas para reivindicar seus direitos territoriais, culturais e políticos. “Disponibilizamos essa informação aos quilombolas para que eles possam acompanhar em que medida o Poder Público está cumprindo a sua obrigação constitucional. É uma iniciativa independente que procura ser uma ferramenta para apoiar a luta pela garantia dos direitos”, explicou Lúcia Andrade.

Veja também no especial sobre os quilombos:

Lentidão marca o processo de titulação das terras quilombolas
Como as comunidades quilombolas podem obter a titulação de suas terras
Conheça a história da luta das comunidades quilombolas pela posse de suas terras
Você sabe o que é um quilombo?

- TV Brasil: Negros kalungas se sentem presos ao passado de escravidão em Goiás
- TV Brasil: Conheça um quilombo urbano em Porto Alegre

Creative Commons - CC BY 3.0

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Fazer uma Denúncia Fazer uma Reclamação Fazer uma Elogio Fazer uma Sugestão Fazer uma Solicitação Fazer uma Simplifique

Deixe seu comentário