Policiais invadem Salão Verde da Câmara para pressionar votações

17/08/2010 - 22h31

Iolando Lourenço
Repórter da Agência Brasil

Brasília – Cerca de 400 policiais e servidores penais invadiram há pouco o Salão Verde da Câmara para pressionar os deputados a votarem as propostas de emenda à Constituição (PECs 300 e 308). A PEC 300 cria o piso salarial nacional para os policiais e bombeiros e a PEC 308 regulamenta a carreira dos servidores da área penitenciária (inspetores e agentes) e transforma a carreira em Policia Penal.

Antes de invadirem o Salão Verde, houve um confronto entre os policiais legislativos (seguranças da Câmara) e os manifestantes com empurrões e até socos. Os seguranças da Câmara tentaram impedir que os manifestantes se dirigissem ao Salão Verde, mas não conseguiram conter os policiais e servidores penitenciários.

“Vamos ficar aqui até votar as propostas”, disse o representante dos agentes penitenciários do Rio de Janeiro, Jefferson da Silva. Segundo ele, a categoria quer o reconhecimento da função do inspetor e do agente penitenciário, que soma mais de 100 mil em todo o Brasil.

O presidente da Federação Brasileira de Servidores Penitenciários, Luiz Fernando Rocha, reclamou da demora para a votação das PECs e da atuação do governo no sentido de não permitir que as matérias sejam aprovadas pela Câmara. “O governo tem nos enganado desde que começou a luta pela aprovação das PECs. Estamos aqui para negociar com o governo e ter uma definição. Estamos negociando a votação há quatro meses”.

Desde de fevereiro desde ano, policiais e servidores penitenciários têm marcado presença semanalmente nos corredores da Câmara para pressionar os deputados a aprovarem as duas PECs. As lideranças têm prometido votar as propostas. No entanto, as votações não ocorreram até hoje. Os deputados já aprovaram o primeiro turno da PEC 300, mas não iniciaram a votação da PEC 308.

Os policiais e servidores penitenciários chegaram hoje cedo à Câmara na esperança de que as propostas fossem votadas nesse esforço concentrado. Só que com a falta de quórum não se votou nada no dia de hoje e nem deverá votar nada amanhã. Mesmo assim, os manifestantes disseram que aguardam uma posição do presidente da Câmara, deputado Michel Temer (PMDB-SP), e também do governo a respeito da votação.
 

 

Edição: Rivadavia Severo