Projeto que desobriga uso de terno e gravata no Congresso gera polêmica

22/11/2008 - 18h21

Paula de Castro
Repórter da Rádio Nacional
Brasília - Trabalhar de terno e gravata pode custar caro. É por causa disso que uma proposta causou polêmica entre parlamentares e funcionários do Congresso Nacional. De autoria do senador Gerson Camata (PMDB-ES), a proposta quer desobrigar o uso de terno e gravata na Câmara e no Senado e reduzir despesas.O professor e engenheiro da Universidade de Brasília(UnB) João Pimenta explica que se a temperatura do aparelho de arcondicionado for aumentada, o gasto de energia diminui, reduzindo também as despesas com o pagamento de energia elétrica. “Na medida em que a pessoa se veste com roupas maispesadas, o que propicia um isolamento térmico maior, é necessário quese utilize uma temperatura menor no ambiente. E isso implica consumo de energia maior”, explica Pimenta. Para se ter uma idéia do consumo estimado de ar condicionado, de acordo com a Companhia Energética deBrasília (CEB), um aparelho gasta em média R$ 77 quando utilizado oito horas pordia. É um consumo alto para um único aparelho, se comparado, por exemplo,a outro vilão da conta de luz como o chuveiro elétrico, que gasta emmédia, R$ 14 se utilizado por 40 minutos todos os dias. Além do custo elevado, João Pimenta afirma que o ar-condicionado pode também prejudicar o meio ambiente. O professorexplica que o prejuízo pode ocorrer de duas  maneiras. Uma seria deimpacto direto, provocado pelo vazamento de gases refrigerantes quecontribuem para a destruição da camada de ozônio e para o aquecimentoglobal. A outra seria de modo indireto, relacionado ao consumo deenergia. De acordo com o professor quanto mais eficiente o aparelho,menor é o consumo.  Sobre a proposta do senador Gerson Camata,Pimenta explica que o aumento da temperatura do aparelho podediminuir os gastos. “Com certeza, vai haver uma redução do consumo. Mas,para dizer o quão importante essa redução será - com certeza, ela serásignificativa a longo prazo - não temos dados concretos para avaliar. Mas há uma redução sem dúvida”, avalia o engenheiro. João Pimenta diz que a utilização consciente doaparelho e a boa manutenção ajudam a reduzir o consumode energia.