Sindicato reivindica mudanças no ensino profissionalizante

28/05/2003 - 23h15

Brasília, 28/5/2003 (Agência Brasil - ABr) - Mudanças na educação profissionalizante. Este foi o tema do encontro realizado esta noite, no MEC, entre o ministro da Educação, Cristovam Buarque e o secretário de Educação Média e Tecnológica (Semtec), Antônio Ibañez, e diretores do sindicato dos servidores federais da educação básica e profissional (Sinasefe).

Para os diretores do Sinasefe, o encontro foi produtivo. "Até marcamos a reinstalação das mesas de negociações, fruto da greve de 2001, para 10 de junho", analisou Fátima Feitosa.

Fátima Feitosa, que também faz parte da diretoria, disse que faltam recursos e democratização nesses centros. "Em alguns centros federais de educação tecnológica (Semtec), agrotécnicos e no Colégio Pedro II (única instituição de ensino público nomeado na constituição brasileira - RJ), as direções são irregulares", completou.

Alguns estados do Brasil como Acre, Mato Grosso do Sul, Amapá e Distrito Federal ainda não têm cursos profissionalizantes, segundo Fátima Feitosa. A sede do Sinasefe fica em Brasília. Hoje, a diretoria é composta por 17 pessoas de todas as regiões do país. Os cursos profissionalizantes oferecidos são em áreas rurais e industriais.

Para o Deputado Federal mineiro, César Medeiro (PT), que estava presente no encontro, apoiar a luta sindical é muito importante.