EUA descartam negociação para que Saddam deixe o Iraque

03/04/2003 - 23h30

Brasília, 3/4/2003 (Agência Brasil - ABr/CNN) - O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Donald Rumsfeld, rejeitou, nesta quinta-feira, qualquer negociação de final da guerra no Iraque, permitindo que o presidente Saddam Hussein abandone o país. "Não há possibilidade alguma de um acordo; não importa quem o proponha", afirmou.

O presidente George W. Bush e Rumsfeld declararam nesta semana e reafirmaram hoje, que a única saída aceitável para o conflito é a rendição total. Rumsfeld reafirmou aos jornalistas que Washington não sabia se Saddam estava vivo ou morto, mas descartou a idéia de que os Estados Unidos continuem insistindo que abandone pacificamente o país, como propuseram antes do início da ação armada.

Quando um jornalista perguntou sobre as informações de que outros países, como França e Rússia, ambos contra a guerra, poderiam tentar negociar um acordo para que os líderes de Bagdá abandonem o país, Rumsfeld disse que uma ação desse tipo seria "de pouca ajuda".

No entanto, o secretário disse que as forças armadas do Iraque ainda têm uma chance. "Os oficiais e soldados iraquianos ainda podem sobreviver e ajudar a reconstruir um Iraque livre, se tomarem a atitude correta", declarou. Rumsfeld e o general Richard Myers, chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, fizeram um apelo aos oficiais iraquianos para que se voltem contra o Governo de Saddam e afirmaram que as forças comandadas pelos Estados Unidos já controlam 45 por cento do território do Iraque.