pequi https://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil//taxonomy/term/179565/all pt-br Seis produtos concentram mais de 90% do valor da produção extrativa não madeireira https://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil//noticia/2013-12-05/seis-produtos-concentram-mais-de-90-do-valor-da-producao-extrativa-nao-madeireira <p>Nielmar de Oliveira<br /> <em>Rep&oacute;rter da Ag&ecirc;ncia Brasil</em></p> <p><img alt="" src="https://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil//sites/_agenciabrasil/files/imagecache/300x225/gallery_assist/26/gallery_assist735330/prev/Workshop_jornalistas_desmatamento%20na%20Amazonia_PA%20Moju_7855.jpg" style="width: 300px; height: 225px; margin: 2px; float: right;" />Rio de Janeira - A maioria dos produtos n&atilde;o madeireiros levantados pela Produ&ccedil;&atilde;o da Extra&ccedil;&atilde;o Vegetal e da Silvicultura (Pevs 2012) apresentou queda no valor e na produ&ccedil;&atilde;o em 2012. Do total, apenas dez registraram expans&atilde;o na produ&ccedil;&atilde;o.</p> <p>Segundo os dados divulgados hoje (05), pelo IBGE, as maiores varia&ccedil;&otilde;es ocorreram na produ&ccedil;&atilde;o de sementes de oiticica, no pequi e em outros aliment&iacute;cios.</p> <p>Dentre os produtos n&atilde;o madeireiros do extrativismo vegetal que se destacaram pelo valor da produ&ccedil;&atilde;o em 2012, os dados do estudo do IBGE destacam coquilhos de a&ccedil;a&iacute; (R$ 336,2 milh&otilde;es), erva-mate nativa (R$ 155,3 milh&otilde;es), am&ecirc;ndoas de baba&ccedil;u (R$ 127,6 milh&otilde;es), fibras de pia&ccedil;ava (R$ 109,0 milh&otilde;es), p&oacute; de carna&uacute;ba (R$ 95,1 milh&otilde;es) e a castanha-do-par&aacute; (R$ 68,4 milh&otilde;es). Juntos esses produtos responderam por 90,6% do valor total da produ&ccedil;&atilde;o extrativista vegetal n&atilde;o madeireira .</p> <p>Ainda segundo o IBGE, o extrativismo vegetal n&atilde;o madeireiro em sua maioria se concentra na Regi&atilde;o Norte, com destaque para o a&ccedil;a&iacute; (93,7%) e a castanha-do-par&aacute; (96,0%), e na Regi&atilde;o Nordeste onde se concentram as produ&ccedil;&otilde;es de am&ecirc;ndoas de baba&ccedil;u (99,7%), fibras de pia&ccedil;ava (96,2%) e p&oacute; de carna&uacute;ba (100,0%). A Regi&atilde;o Sul concentra apenas dois produtos: erva-mate (99,9%) e pinh&atilde;o (99,0%).</p> <p>Em sua totalidade, os produtos n&atilde;o madeireiros somaram 1,016 bilh&otilde;es em 2012, com os derivados da silvicultura somando apenas R$ 133,1 milh&otilde;es; enquanto os provenientes da extra&ccedil;&atilde;o vegetal R$ 983,6 milh&otilde;es.</p> <p>&nbsp;</p> <p><em>Edi&ccedil;&atilde;o: Jos&eacute; Romildo</em></p> <p><em>Todo o conte&uacute;do deste site est&aacute; publicado sob a Licen&ccedil;a Creative Commons Atribui&ccedil;&atilde;o 3.0 Brasil. Para reproduzir as mat&eacute;rias &eacute; necess&aacute;rio apenas dar cr&eacute;dito &agrave; </em><strong>Ag&ecirc;ncia Brasil</strong></p> carnaúba castanha-do-pará IBGE Meio Ambiente oiticica pequi piaçava produção extrativista produtos não madeireiros Thu, 05 Dec 2013 12:38:52 +0000 jose.romildo 735833 at https://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/