crise argentina https://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil//taxonomy/term/134429/all pt-br Argentinos fazem panelaço contra o controle da venda de dólares https://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil//noticia/2012-05-31/argentinos-fazem-panelaco-contra-controle-da-venda-de-dolares <p> De Monica Yanakiew<br /> <em>Correspondente da EBC na Argentina</em></p> <p> Buenos Aires &ndash; Os argentinos voltaram a protestar com panelas pela primeira vez desde 2008. Os moradores dos bairros mais nobres da cidade de Buenos Aires convocaram um panela&ccedil;o nesta quinta-feira &agrave; noite (31), contra a corrup&ccedil;&atilde;o, a inseguran&ccedil;a e as restri&ccedil;&otilde;es &agrave; compra de d&oacute;lares. Foi o primeiro protesto contra o governo, desde que a presidenta Cristina Kirchner foi reeleita, em outubro passado, com 54% dos votos.</p> <p> Tamb&eacute;m na quinta-feira (31), os ruralistas da prov&iacute;ncia de Buenos Aires (que concentra um ter&ccedil;o do Produto Interno Bruto e da popula&ccedil;&atilde;o do pais) decretaram uma greve entre os dias 2 e 8 de junho. O protesto &eacute; contra o aumento de impostos &agrave; propriedade rural, aprovado num ano em que os agricultores est&atilde;o sofrendo os efeitos da seca, que afetou a produ&ccedil;&atilde;o de soja.</p> <p> &ldquo;Eu compro d&oacute;lares para me proteger da infla&ccedil;&atilde;o, que o governo diz que &eacute; de 10% ao ano, mas que todos n&oacute;s sabemos que est&aacute; mais pr&oacute;xima dos 30%&rdquo;, disse a contadora Soledad Nanclares, enquanto batia panelas no balc&atilde;o de seu apartamento, no bairro de Palermo. &ldquo;Acho que numa democracia todos temos o direito de fazer o que queremos com o dinheiro que ganhamos trabalhando de forma legal. Se o governo quer acabar com a cultura de poupar em d&oacute;lar, os funcion&aacute;rios [p&uacute;blicos] deveriam ser os primeiros a dar o exemplo&rdquo;.</p> <p> O governo argentino come&ccedil;ou a controlar as opera&ccedil;&otilde;es de c&acirc;mbio para evitar a fuga de divisas do pais, que, em 2011, foi US$ 11 bilh&otilde;es. Uma medida, de novembro passado, obriga os argentinos que querem comprar d&oacute;lares, euros, reais ou qualquer moeda estrangeira a pedir autoriza&ccedil;&atilde;o pr&eacute;via &agrave; Afip (Receita Federal argentina). Os argentinos tem que provar que tem suficientes pesos declarados para realizar a opera&ccedil;&atilde;o de c&acirc;mbio.</p> <p> Duas outras medidas restringiram ainda mais a compra de moeda estrangeira. O governo proibiu o uso de cart&otilde;es de d&eacute;bito de contas em pesos argentinos para retirar divisas no exterior e, em maio, imp&ocirc;s restri&ccedil;&otilde;es &agrave; compra de divisas para quem viajar ao exterior. Pelas novas normas, quem quiser comprar moeda estrangeira ao c&acirc;mbio oficial tem que informar &agrave; Afip para onde vai, por quanto tempo e por qual motivo.</p> <p> O senador An&iacute;bal Fernandez, que foi chefe de gabinete da presidenta Cristina Kirchner, defendeu as restri&ccedil;&otilde;es, dizendo os argentinos deveriam come&ccedil;ar a pensar em pesos argentinos. H&aacute; pelo menos quatro d&eacute;cadas, os argentinos pensam em d&oacute;lares: vendem e alugam im&oacute;veis e poupam em moeda norte-americana. Mas em entrevista, o senador admitiu que ele tamb&eacute;m poupa em d&oacute;lares: tem US$ 24 mil guardados porque, segundo ele, n&atilde;o quer perder tempo investindo em prazos fixos, que precisam ser renovados.</p> <p> Esta semana, os jornais argentinos publicaram as declara&ccedil;&otilde;es de imposto de renda de membros do governo, provando que tanto a presidenta quanto muitos de seus ministros tinham poupan&ccedil;a em d&oacute;lares. &ldquo;Faz sentido querer pesificar a economia argentina. Afinal, nossa moeda &eacute; o peso. Mas para convencer os argentinos a mudar seus h&aacute;bitos, o governo deveria oferecer incentivos. Discursos n&atilde;o bastam&rdquo;, disse o ex-presidente do Banco Central, Martin Redrado.</p> <p> <em>Edi&ccedil;&atilde;o: F&aacute;bio Massalli</em></p> Argentino Belgran Buenos Aires crise argentina Cristina Kirchner dólares Internacional Palermo panelaço peso protesto Recoleta redes sociais venda de dólares Fri, 01 Jun 2012 01:53:26 +0000 fabio.massalli 696187 at https://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/