Dilma cobrará de prefeitos e governadores agilidade nas obras para a Copa, diz ministro

05/05/2011 - 11h22

Carolina Pimentel
Repórter da Agência Brasil

Brasília – A presidenta Dilma Rousseff vai se reunir com governadores e prefeitos das cidades-sede da Copa do Mundo de 2014 para cobrar agilidade nas obras de infraestrutura para o Mundial, especialmente às relacionadas ao transporte urbano, informou hoje (5) o ministro do Esporte, Orlando Silva. A reunião está marcada para o dia 30 de maio.

De acordo com o ministro, 70% das obras de transporte urbano devem começar ainda este ano e 54 projetos já foram selecionados para melhorar a mobilidade das pessoas nas cidades.

Sobre atrasos no cronograma das obras, o ministro afirmou que, em 2012, os brasileiros terão a sensação de que o país está caminhando “bem” para cumprir os compromissos assumidos com a Federação Internacional de Futebol (Fifa). Segundo ele, as obras já foram iniciadas em dez estádios e em Natal (RN), última licitação que foi feita, os trabalhos devem começar em breve. O 12º estádio, em São Paulo (SP), será construído pela iniciativa privada e as obras ainda não tiveram início.

“Na virada de 2011 para 2012, a percepção sobre a preparação do Brasil vai mudar, porque o estágio das obras das arenas será completamente diferente”, disse Orlando Silva, ao participar do programa de rádio Bom Dia, Ministro, produzido pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República em parceria com a EBC Serviços.

Em relação aos aeroportos, Orlando Silva afirmou que a ordem da presidenta é antecipar a concessão de parte das obras à iniciativa privada. “O prazo é curto, mas o suficiente para modernizarmos os aeroportos”, disse. Estudo divulgado recentemente pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostra que, dos 12 aeroportos em ampliação, nove não ficarão prontos a tempo para os jogos de 2014.

As 12 cidades que vão sediar a Copa de 2014 são: Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Porto Alegre, Brasília, Cuiabá, Curitiba, Fortaleza, Manaus, Natal, Recife e Salvador. De acordo com o ministro, os recursos públicos e privados a serem investidos para a realização do Mundial devem somar cerca de R$ 47 bilhões. O total de empregos criados deve chegar a 700 mil.

Edição: Juliana Andrade // Alterada para acréscimo de informações