Instituto Royal http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/taxonomy/term/176913/all pt-br Ativistas voltam a invadir Instituto Royal http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/noticia/2013-11-13/ativistas-voltam-invadir-instituto-royal <p>Daniel Mello<br /> <em>Rep&oacute;rter da Ag&ecirc;ncia Brasil</em></p> <p> S&atilde;o Paulo &ndash; Ativistas voltaram a invadir o Instituto Royal, em S&atilde;o Roque, interior paulista, na madrugada de hoje (13). Segundo a assessoria do instituto, a maior parte dos equipamentos que ainda estavam no local foi destru&iacute;da, e os roedores que permaneciam nas instala&ccedil;&otilde;es foram levados em sacolas pl&aacute;sticas. De acordo com o laborat&oacute;rio, um grupo de cerca de 50 pessoas agrediu tr&ecirc;s seguran&ccedil;as durante a a&ccedil;&atilde;o. A institui&ccedil;&atilde;o registrou um boletim de ocorr&ecirc;ncia.</p> <p> O Royal encerrou as atividades no &uacute;ltimo dia 6 com a justificativa de que os trabalhos foram comprometidos pela invas&atilde;o de ativistas no dia 18 de outubro. A a&ccedil;&atilde;o causou, segundo instituto, a &ldquo;perda de quase todo o plantel de animais e de aproximadamente uma d&eacute;cada de pesquisas&quot;. Al&eacute;m disso, a institui&ccedil;&atilde;o argumentou que a &quot;persistente instabilidade e a crise de seguran&ccedil;a colocam em risco permanente a integridade f&iacute;sica e moral de seus colaboradores&quot;.</p> <p> Durante a primeira invas&atilde;o, 178 cachorros da ra&ccedil;a beagle foram levados do laborat&oacute;rio. Os ativistas acusam o Royal de maltratar c&atilde;es, coelhos, ratos e outros animais usados em pesquisas cient&iacute;ficas. A Pol&iacute;cia Civil abriu dois inqu&eacute;ritos para investigar a atua&ccedil;&atilde;o dos ativistas e do instituto. Um dos inqu&eacute;ritos investiga a den&uacute;ncia de maus-tratos e o segundo, a ocorr&ecirc;ncia de furto qualificado e danos ao patrim&ocirc;nio praticados pelos manifestantes durante a invas&atilde;o.</p> <p> O instituto disse que estava discutindo com o Conselho Nacional de Experimenta&ccedil;&atilde;o Animal (Concea) a destina&ccedil;&atilde;o correta dos animais que foram levados na a&ccedil;&atilde;o de hoje. &ldquo;Lamentamos a onda de viol&ecirc;ncia f&iacute;sica e moral contra os animais e os profissionais que prestam servi&ccedil;o ao instituto&rdquo;, ressalta a nota do laborat&oacute;rio.</p> <p><em>Edi&ccedil;&atilde;o: Lana Cristina</em></p> <p style="margin-bottom: 0cm"><em>Todo o conte&uacute;do deste site est&aacute; publicado sob a Licen&ccedil;a Creative Commons Atribui&ccedil;&atilde;o 3.0 Brasil. Para reproduzir as mat&eacute;rias, &eacute; necess&aacute;rio apenas dar cr&eacute;dito &agrave; <strong>Ag&ecirc;ncia Brasil</strong></em></p> animais ativistas equipamentos Instituto Royal laboratório Nacional pesquisa com animais polícia civil Wed, 13 Nov 2013 20:30:07 +0000 lana 734730 at http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil Instituto Royal fecha as portas e encerra pesquisas após depredação e roubo de animais http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/noticia/2013-11-06/instituto-royal-fecha-portas-e-encerra-pesquisas-apos-depredacao-e-roubo-de-animais <p><img alt="" src="http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/sites/_agenciabrasil/files/imagecache/300x225/gallery_assist/26/gallery_assist733631/prev/ABR241013MCSP2402.JPG" style="width: 300px; height: 225px; margin: 8px; float: right;" />Camila Maciel<br /> <em>Rep&oacute;rter da Ag&ecirc;ncia Brasil</em></p> <p>S&atilde;o Paulo &ndash; Ap&oacute;s a invas&atilde;o de ativistas contr&aacute;rios &agrave; pr&aacute;tica de testes laboratoriais em animais, ocorrida no dia 18 de outubro, o Instituto Royal decidiu encerrar as atividades do laborat&oacute;rio no munic&iacute;pio de S&atilde;o Roque, no interior paulista. Em comunicado, divulgado hoje (6), a institui&ccedil;&atilde;o justifica o fechamento informando que a atua&ccedil;&atilde;o do instituto est&aacute; comprometida pela &quot;perda de quase todo o plantel de animais e de aproximadamente uma d&eacute;cada de pesquisas&quot;. Al&eacute;m disso, aponta que a &quot;persistente instabilidade e a crise de seguran&ccedil;a colocam em risco permanente a integridade f&iacute;sica e moral de seus colaboradores&quot;.</p> <p>Durante a invas&atilde;o, 178 cachorros da ra&ccedil;a beagle foram roubados do laborat&oacute;rio. Os ativistas acusam o Royal de maltratar c&atilde;es, coelhos, ratos e outros animais usados em pesquisas cient&iacute;ficas. A Pol&iacute;cia Civil abriu dois inqu&eacute;ritos para investigar a atua&ccedil;&atilde;o dos ativistas e do instituto. Um dos inqu&eacute;ritos investiga a den&uacute;ncia de maus-tratos. O segundo, a ocorr&ecirc;ncia de furto qualificado e danos ao patrim&ocirc;nio praticados pelos manifestantes durante a invas&atilde;o.</p> <p>O instituto informou que os funcion&aacute;rios ser&atilde;o desligados e que ser&aacute; mantido somente o Comit&ecirc; de &Eacute;tica formado por colaboradores do laborat&oacute;rio, do qual participam veterin&aacute;rios, bi&oacute;logos e membros da Sociedade Protetora dos Animais. O encaminhamento a ser dado aos animais remanescentes, que ainda est&atilde;o sob os cuidados da empresa, ser&aacute; decidido com os &oacute;rg&atilde;os regulat&oacute;rios.</p> <p>O laborat&oacute;rio voltou a criticar a a&ccedil;&atilde;o violenta dos ativistas. A empresa nega que houvessem irregularidades no procedimento e disse que a invas&atilde;o foi resultado de inverdades disseminadas de forma irrespons&aacute;vel. &quot;As consequ&ecirc;ncias dos atos advindos dessa equa&ccedil;&atilde;o resultaram n&atilde;o somente em preju&iacute;zo para a institui&ccedil;&atilde;o, que fecha suas portas, mas tamb&eacute;m e mais gravemente para a sociedade brasileira, que assiste &agrave; inutiliza&ccedil;&atilde;o de importantes pesquisas em benef&iacute;cio da vida humana&quot;, assinala a nota.</p> <p>&nbsp;</p> <p><em>Edi&ccedil;&atilde;o: Beto Coura<br /> Todo o conte&uacute;do deste site est&aacute; publicado sob a Licen&ccedil;a Creative Commons Atribui&ccedil;&atilde;o 3.0 Brasil. Para reproduzir as mat&eacute;rias &eacute; necess&aacute;rio apenas dar cr&eacute;dito &agrave; <strong>Ag&ecirc;ncia Brasil</strong></em></p> Ação violenta dos ativistas Instituto Royal Saúde Sociedade Protetora dos Animais Testes de laboratório em animais Wed, 06 Nov 2013 16:51:39 +0000 alberto.coura 734498 at http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil Câmara faz audiência sobre as denúncias de maus-tratos a animais no Instituto Royal http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/galeria/2013-10-29/camara-faz-audiencia-sobre-denuncias-de-maus-tratos-animais-no-instituto-royal <p>Brasília – Ativistas dos direitos dos animais pediram hoje (29), em audiência pública na Câmara dos Deputados, mais investigações sobre as denúncias de maus-tratos a animais usados em pesquisas científicas no Instituto Royal, em São Roque (SP). Em meados de outubro, manifestantes invadiram a sede do instituto e retiraram 178 cachorros da raça beagle do local. A empresa nega as denúnciasBrasília – Ativistas dos direitos dos animais pediram hoje (29), em audiência pública na Câmara dos Deputados, mais investigações sobre as denúncias de maus-tratos a animais usados em pesquisas científicas no Instituto Royal, em São Roque (SP). Em meados de outubro, manifestantes invadiram a sede do instituto e retiraram 178 cachorros da raça beagle do local. A empresa nega as denúncias. E/D: deputado Ricardo Tripoli; presidenta da Uipa, Vanice Orlandi; e o professor da Unesp, Stélio Pacca LunaBrasília – Ativistas dos direitos dos animais pediram hoje (29), em audiência pública na Câmara dos Deputados, mais investigações sobre as denúncias de maus-tratos a animais usados em pesquisas científicas no Instituto Royal, em São Roque (SP). Em meados de outubro, manifestantes invadiram a sede do instituto e retiraram 178 cachorros da raça beagle do local. A empresa nega as denúnciasBrasília – Ativistas dos direitos dos animais pediram hoje (29), em audiência pública na Câmara dos Deputados, mais investigações sobre as denúncias de maus-tratos a animais usados em pesquisas científicas no Instituto Royal, em São Roque (SP). Em meados de outubro, manifestantes invadiram a sede do instituto e retiraram 178 cachorros da raça beagle do local. A empresa nega as denúncias</p> animais ativista beagle Instituto Royal maus-tratos pesquisa e inovação Pesquisa e Inovação pesquisas com animais Tue, 29 Oct 2013 21:24:44 +0000 luciano 733972 at http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil Prefeitura de São Roque volta atrás e suspende alvará do Instituto Royal http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/noticia/2013-10-26/prefeitura-de-sao-roque-volta-atras-e-suspende-alvara-do-instituto-royal <p>Karine Melo e Elaine Patricia Cruz<br /> <em>Rep&oacute;rteres da Ag&ecirc;ncia Brasil</em></p> <p> Bras&iacute;lia e S&atilde;o Paulo &ndash; A prefeitura de S&atilde;o Roque (SP) suspendeu ontem (26), por 60 dias, o alvar&aacute; de funcionamento do Instituto Royal, que usa animais para pesquisas. A medida foi tomada pelo prefeito Daniel de Oliveira Costa depois que um relat&oacute;rio elaborado por uma comiss&atilde;o de deputados federais formada para acompanhar as investiga&ccedil;&otilde;es do caso apontou que os animais viviam em um ambiente sem a m&iacute;nima higiene e sem condi&ccedil;&otilde;es de abrigar testes laboratoriais.</p> <p> Antes, no &uacute;ltimo dia 24, uma comiss&atilde;o da prefeitura fez uma vistoria no Instituto Royal e n&atilde;o constatou irregularidades. No dia, o prefeito, que participou da visita, disse que n&atilde;o havia raz&otilde;es para que o alvar&aacute; da empresa fosse cassado.</p> <p> Na semana passada, manifestantes invadiram a sede do instituto e retiraram 178 cachorros da ra&ccedil;a beagle do local. Os ativistas acusam o Royal de maus-tratos a c&atilde;es, coelhos, ratos e outros animais usados em pesquisas cient&iacute;ficas.</p> <p> Por meio de nota &agrave; imprensa, a assessoria do instituto lamentou a decis&atilde;o da prefeitura. &ldquo;A dire&ccedil;&atilde;o do Instituto Royal prop&ocirc;s &agrave; prefeitura de S&atilde;o Roque a suspens&atilde;o volunt&aacute;ria das pesquisas com animais pelos pr&oacute;ximos 60 dias devido aos danos f&iacute;sicos causados &agrave;s suas instala&ccedil;&otilde;es. Por isso, &eacute; com surpresa que recebe a decis&atilde;o do prefeito de suspender o alvar&aacute; da entidade pelo mesmo per&iacute;odo, adotada a partir de crit&eacute;rios pol&iacute;ticos&rdquo;, diz a nota.</p> <p> <em>Edi&ccedil;&atilde;o: Marcos Chagas</em></p> <p> <em> Todo o conte&uacute;do deste site est&aacute; publicado sob a Licen&ccedil;a Creative Commons Atribui&ccedil;&atilde;o 3.0 Brasil. Para reproduzir as mat&eacute;rias &eacute; necess&aacute;rio apenas dar cr&eacute;dito &agrave;<strong> Ag&ecirc;ncia Brasil</strong></em></p> Agência Brasil ambiente animais beagles cães higiene Instituto Royal manifestantes maus-tratos Nacional pesquisas são paulo testes laboratoriais Sat, 26 Oct 2013 18:36:53 +0000 mchagas 733790 at http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil Projeto que criminaliza atos de crueldade contra animais está pronto para ser votado http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/noticia/2013-10-24/projeto-que-criminaliza-atos-de-crueldade-contra-animais-esta-pronto-para-ser-votado <p>Iolando Louren&ccedil;o<br /> <em>Rep&oacute;rter da Ag&ecirc;ncia Brasil</em></p> <p> Bras&iacute;lia - O projeto de lei que criminaliza atos de crueldade contra animais est&aacute; pronto para ser votado pelo plen&aacute;rio da C&acirc;mara. Hoje (24), os deputados aprovaram de forma simb&oacute;lica o requerimento de urg&ecirc;ncia para a vota&ccedil;&atilde;o da proposta. Com isso, a mat&eacute;ria ser&aacute; votada diretamente no plen&aacute;rio. O projeto estabelece que quem cometer maus-tratos de forma intencional a animais poder&aacute; ser preso por at&eacute; cinco anos.</p> <p> A discuss&atilde;o da proposta veio &agrave; tona ap&oacute;s ativistas resgatarem 178 beagles do Instituto Royal, em S&atilde;o Roque, S&atilde;o Paulo, na &uacute;ltima sexta-feira (18). Diante do ocorrido, os deputados chegaram a criar uma comiss&atilde;o externa para auxiliar nas investiga&ccedil;&otilde;es em andamento sobre o instituto e fizeram ontem (23) uma audi&ecirc;ncia p&uacute;blica na C&acirc;mara com o ministro da Ci&ecirc;ncia,Tecnologia e Inova&ccedil;&atilde;o, Marco Antonio Raupp.</p> <p> De autoria do deputado Ricardo Tripoli (PSDB-SP), o projeto foi aprovado pelas comiss&otilde;es de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustent&aacute;vel, em 2012, e neste ano pela de Constitui&ccedil;&atilde;o e Justi&ccedil;a da C&acirc;mara. &ldquo;Este projeto &eacute; consenso, h&aacute; um ano venho trabalhando na aprova&ccedil;&atilde;o&rdquo;, disse Tripoli ap&oacute;s a vota&ccedil;&atilde;o da urg&ecirc;ncia. Inicialmente, pretendia-se votar hoje a urg&ecirc;ncia e o m&eacute;rito da proposta.</p> <p> <em>Edi&ccedil;&atilde;o: F&aacute;bio Massalli</em></p> <p> Todo o conte&uacute;do deste site est&aacute; publicado sob a Licen&ccedil;a Creative Commons Atribui&ccedil;&atilde;o 3.0 Brasil. Para reproduzir as mat&eacute;rias &eacute; necess&aacute;rio apenas dar cr&eacute;dito &agrave; <strong>Ag&ecirc;ncia Brasil</strong></p> animais atos de crueldade contra animais beagle Camara direitos dos animais Instituto Royal Política projeto de lei São Roque Thu, 24 Oct 2013 23:00:44 +0000 fabio.massalli 733668 at http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil Prefeitura de São Roque faz vistoria e não encontra irregularidade no Instituto Royal http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/noticia/2013-10-24/prefeitura-de-sao-roque-faz-vistoria-e-nao-encontra-irregularidade-no-instituto-royal <p style="margin-bottom: 0cm">Fernanda Cruz<br /> <i>Rep&oacute;rter da Ag&ecirc;ncia Brasil</i></p> <p> <img alt="" src="http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/agenciabrasil/sites/_agenciabrasil/files/imagecache/300x225/gallery_assist/26/gallery_assist733631/prev/ABR241013MCSP2401.JPG" style="width: 300px; height: 225px; margin: 3px; float: right;" />S&atilde;o Roque (SP) &ndash; A vistoria feita hoje (24) por uma comiss&atilde;o da prefeitura de S&atilde;o Roque no Instituto Royal, invadido por ativistas na madrugada de sexta-feira (18), n&atilde;o constatou irregularidades. Segundo o prefeito Daniel de Oliveira Costa, que participou da visita, n&atilde;o h&aacute; raz&otilde;es para que o alvar&aacute; da empresa seja cassado.</p> <p> A comiss&atilde;o levou fiscais da Vigil&acirc;ncia Sanit&aacute;ria do munic&iacute;pio, servidores do Departamento de Planejamento e Meio Ambiente, al&eacute;m de advogados da administra&ccedil;&atilde;o municipal. A imprensa e ativistas n&atilde;o puderam entrar. De acordo com o prefeito, a entrada foi autorizada pela pr&oacute;pria diretoria do instituto.</p> <p> O prefeito informou que as condi&ccedil;&otilde;es estruturais do pr&eacute;dio eram muito satisfat&oacute;rias. &ldquo;A estrutura era invej&aacute;vel, com azulejo at&eacute; o teto, tudo bem limpo. Os animais muito bem cuidados. O que n&oacute;s vimos l&aacute; nos surpreendeu para melhor&rdquo;, declarou.</p> <p> <img alt="" src="http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/agenciabrasil/sites/_agenciabrasil/files/imagecache/300x225/gallery_assist/26/gallery_assist733631/prev/ABR241013MCSP2421.JPG" style="width: 300px; height: 225px; margin: 3px; float: left;" />No local, segundo o prefeito, sobraram dezenas de ratos, que s&atilde;o usados como cobaias em testes laboratoriais. Havia de 30 a 40 gaiolas, cuidadas por dois funcion&aacute;rios se revezam durante 24 horas. &ldquo;Estavam aparentemente bem cuidados, bem alimentados&rdquo;, disse. Al&eacute;m dos ratos, o laborat&oacute;rio fazia testes em c&atilde;es da ra&ccedil;a beagle e coelhos, que foram levados durante a invas&atilde;o por ativistas.</p> <p> O prefeito comentou tamb&eacute;m sobre um por&atilde;o onde ativistas suspeitam que fosse usado para maus-tratos e sacrif&iacute;cios dos animais. &ldquo;Isso n&atilde;o existe. N&atilde;o vi nenhuma atividade, nenhum ind&iacute;cio de maus-tratos&rdquo;, disse o prefeito. Durante a invas&atilde;o, os ativistas retiraram do instituto 178 c&atilde;es da ra&ccedil;a beagle.</p> <p style="margin-bottom: 0cm"><i>Edi&ccedil;&atilde;o: Davi Oliveira</i></p> <p style="margin-bottom: 0cm"><em>Todo o conte&uacute;do deste site est&aacute; publicado sob a Licen&ccedil;a Creative Commons Atribui&ccedil;&atilde;o 3.0 Brasil. Para reproduzir as mat&eacute;rias, &eacute; necess&aacute;rio apenas dar cr&eacute;dito &agrave; </em><strong>Ag&ecirc;ncia Brasil</strong></p> ativistas direito dos animais experiência com animais fiscalização Instituto Royal manifestantes Nacional São Roque Thu, 24 Oct 2013 19:13:40 +0000 davi.oliveira 733642 at http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil Prefeitura de São Roque inspeciona Instituto Royal http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/noticia/2013-10-24/prefeitura-de-sao-roque-inspeciona-instituto-royal <p><img alt="" src="http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/sites/_agenciabrasil/files/imagecache/300x225/gallery_assist/26/gallery_assist733631/prev/ABR241013MCSP2403.JPG" style="width: 300px; height: 225px; float: right; margin: 3px;" />Camila Maciel<br /> <em>Rep&oacute;rter da Ag&ecirc;ncia Brasil</em></p> <p> S&atilde;o Paulo - A prefeitura de S&atilde;o Roque, no interior paulista, inspeciona a sede do Instituto Royal para avaliar se o local tem condi&ccedil;&otilde;es de funcionar ap&oacute;s a invas&atilde;o de ativistas contr&aacute;rios &agrave; pr&aacute;tica de testes laboratoriais em animais, ocorrida na madrugada de sexta-feira (18). A vistoria pode resultar na suspens&atilde;o do alvar&aacute; de funcionamento.</p> <p> Durante o ato, 178 cachorros da ra&ccedil;a beagle foram retirados do laborat&oacute;rio do instituto. Os ativistas acusam o Royal de maus-tratos a c&atilde;es, coelhos, ratos e outros animais usados em pesquisas cient&iacute;ficas.</p> <p> A assessoria de imprensa do instituto nega a den&uacute;ncia de maus-tratos. &ldquo;O instituto n&atilde;o maltrata e nunca maltratou animais, raz&atilde;o pela qual nega veementemente as infundadas e levianas acusa&ccedil;&otilde;es de maus-tratos a seus c&atilde;es. Sobre esse ponto, o instituto lamenta que alguns de seus c&atilde;es, furtados na madrugada de sexta-feira [18], estejam sendo abandonados&rdquo;, diz a nota, ao acrescentar que todas as atividades desenvolvidas no local s&atilde;o acompanhadas por &oacute;rg&atilde;os de fiscaliza&ccedil;&atilde;o.</p> <p> <em>Edi&ccedil;&atilde;o: Talita Cavalcante</em></p> <p style="margin-bottom: 0cm"><em>Todo o conte&uacute;do deste site est&aacute; publicado sob a Licen&ccedil;a Creative Commons Atribui&ccedil;&atilde;o 3.0 Brasil. Para reproduzir as mat&eacute;rias &eacute; necess&aacute;rio apenas dar cr&eacute;dito &agrave; <strong>Ag&ecirc;ncia Brasil</strong></em></p> beagle Instituto Royal Nacional prefeitura de São Roque Thu, 24 Oct 2013 15:05:18 +0000 talita.cavalcante 733621 at http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil Polícia apresentar informações sobre o caso "Instituto Royal" http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/galeria/2013-10-24/policia-apresentar-informacoes-sobre-caso-instituto-royal depoimento de ativistas experiência com animais inquérito policial Instituto Royal invasão ao instituto Nacional Thu, 24 Oct 2013 14:48:17 +0000 wladimir 733618 at http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil Polícia vai ouvir 20 ativistas que participaram da invasão ao Instituto Royal http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/noticia/2013-10-24/policia-vai-ouvir-20-ativistas-que-participaram-da-invasao-ao-instituto-royal <p style="margin-bottom: 0cm">Fernanda Cruz<br /> <i>Rep&oacute;rter da Ag&ecirc;ncia Brasil</i></p> <p> Sorocaba (SP) &ndash; Ativistas que participaram da invas&atilde;o ao Instituto Royal e retiraram do local 178 c&atilde;es da ra&ccedil;a beagle que serviam a pesquisas cient&iacute;ficas foram identificados pela pol&iacute;cia e v&atilde;o prestar depoimento. As imagens divulgadas pela imprensa e informa&ccedil;&otilde;es passadas por redes sociais ajudaram a identificar aproximadamente 20 suspeitos, que poder&atilde;o responder por furto qualificado - j&aacute; que o crime ocorreu no per&iacute;odo noturno - dano e forma&ccedil;&atilde;o de quadrilha.</p> <p> Os inqu&eacute;ritos policiais sobre o caso foram transferidos hoje (24) de S&atilde;o Roque, munic&iacute;pio do interior paulista que sedia o instituto, para a Delegacia de Investiga&ccedil;&otilde;es Gerais (DIG) do munic&iacute;pio de Sorocaba. Segundo Jos&eacute; Humberto Urban, delegado titular da DIG, as dilig&ecirc;ncias na pequena cidade de menos de 100 mil habitantes ultrapassaram a capacidade da pol&iacute;cia local. &ldquo;A DIG de Sorocaba conta com contingente maior e vai colocar &agrave; disposi&ccedil;&atilde;o do caso&rdquo;, informou o delegado.</p> <p> Urban declarou que os poss&iacute;veis maus-tratos sofridos pelos animais n&atilde;o justificariam a invas&atilde;o e a depreda&ccedil;&atilde;o. Integrantes do movimento Black Bloc, que tamb&eacute;m praticaram vandalismo, v&atilde;o ser investigados pela for&ccedil;a-tarefa formada pela Pol&iacute;cia Civil, Minist&eacute;rio P&uacute;blico e Pol&iacute;cia Militar. Eles poder&atilde;o ser enquadrados na nova Lei de Associa&ccedil;&atilde;o Criminosa.</p> <p> De acordo com o inqu&eacute;rito, mais de 100 pessoas participaram da invas&atilde;o &agrave; empresa, mas a investiga&ccedil;&atilde;o deve individualizar condutas. Isso significa separar a atua&ccedil;&atilde;o dos ativistas e dos integrantes do movimento Black Bloc.</p> <p> Um dos inqu&eacute;ritos vai apurar tamb&eacute;m as den&uacute;ncias de maus-tratos contra os animais &ndash; c&atilde;es, coelhos e ratos &ndash; usados como cobaias em experimentos cient&iacute;ficos. Ser&atilde;o ouvidos os diretores respons&aacute;veis pelo Instituto Royal, que j&aacute; foram intimados. Essas investiga&ccedil;&otilde;es v&atilde;o ser feitas em conjunto com o trabalho de investiga&ccedil;&atilde;o desenvolvido, desde o ano passado, pelo Minist&eacute;rio P&uacute;blico de S&atilde;o Paulo. Um <i>pen drive</i> contendo informa&ccedil;&otilde;es t&eacute;cnicas da empresa, entregue por um rep&oacute;rter, vai ser incorporado ao inqu&eacute;rito.</p> <p> Ontem (24), um dos c&atilde;es levados pelos ativistas foi entregue &agrave; pol&iacute;cia por uma mulher, que disse n&atilde;o ter participado da invas&atilde;o e ter recebido o animal como doa&ccedil;&atilde;o. O destino do beagle agora &eacute; incerto, disse o delegado. Mais dois cachorros j&aacute; haviam sido encontrados nas ruas da cidade. A pol&iacute;cia acredita que o restante tenha sido levado para outros munic&iacute;pios do estado.</p> <p style="margin-bottom: 0cm"><em>Edi&ccedil;&atilde;o: Davi Oliveira</em></p> <p style="margin-bottom: 0cm"><em>Todo o conte&uacute;do deste site est&aacute; publicado sob a Licen&ccedil;a Creative Commons Atribui&ccedil;&atilde;o 3.0 Brasil. &Eacute; necess&aacute;rio apenas dar cr&eacute;dito &agrave; </em><em><i><b>Ag&ecirc;ncia Brasil</b></i></em></p> depoimento de ativistas experiência com animais inquérito policial Instituto Royal invasão ao instituto Nacional protesto de ativistas São Roque Thu, 24 Oct 2013 14:31:04 +0000 davi.oliveira 733614 at http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil Ministro diz que invasão de ativistas ao Instituto Royal foi “um crime” http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/noticia/2013-10-23/ministro-diz-que-invasao-de-ativistas-ao-instituto-royal-foi-%E2%80%9Cum-crime%E2%80%9D <p style="margin-bottom: 0cm">Jorge Wamburg<br /> <i>Rep&oacute;rter da Ag&ecirc;ncia Brasil</i></p> <p> Bras&iacute;lia - O ministro da Ci&ecirc;ncia, Tecnologia e Inova&ccedil;&atilde;o, Marco Antonio Raupp, condenou hoje (23), na C&acirc;mara dos Deputados, a invas&atilde;o do Instituto Royal, em S&atilde;o Paulo, por ativistas de direitos dos animais. Para o ministro, o epis&oacute;dio, ocorrido na sexta-feira (18) passada, foi um &ldquo;crime&rdquo;. No incidente, os militantes retiraram do local 178 cachorros da ra&ccedil;a beagle que eram usados em pesquisa cient&iacute;fica.</p> <p style="margin-bottom: 0cm">&quot;Essa invas&atilde;o &eacute; um crime. Foi feita &agrave; revelia da lei. Quando se discutiu a legisla&ccedil;&atilde;o, discutiu-se tamb&eacute;m a necessidade que a comunidade cient&iacute;fica tem - tanto as ag&ecirc;ncias p&uacute;blicas, as universidades como as empresas - de fazer testes com rela&ccedil;&atilde;o a novos medicamentos. Em todo o mundo &eacute; assim. N&atilde;o &eacute; s&oacute; no Brasil n&atilde;o.&quot;</p> <p style="margin-bottom: 0cm">Raupp foi &agrave; C&acirc;mara dos Deputados para participar de audi&ecirc;ncia p&uacute;blica conjunta de comiss&otilde;es tem&aacute;ticas da Casa sobre o Projeto de Lei do C&oacute;digo Nacional de Ci&ecirc;ncia e Tecnologia (PL 2.177/2011) que teve parecer apresentado hoje pelo relator, deputado Sib&aacute; Machado (PT-AC). Segundo o ministro, pela sua import&acirc;ncia, trata-se de uma &ldquo;miniconstituinte da Ci&ecirc;ncia e Tecnologia&rdquo;, que vai dar um grande impulso ao setor no pa&iacute;s.</p> <p style="margin-bottom: 0cm">Ficou decidido que a Comiss&atilde;o de Ci&ecirc;ncia e Tecnologia da C&acirc;mara dos Deputados vai pedir ao col&eacute;gio de l&iacute;deres, na pr&oacute;xima semana, para colocar em vota&ccedil;&atilde;o no plen&aacute;rio o projeto de lei. A vota&ccedil;&atilde;o na comiss&atilde;o tamb&eacute;m ficou para a pr&oacute;xima semana, mas antes o relator vai se reunir com representantes de minist&eacute;rios que participaram da audi&ecirc;ncia &ndash; Educa&ccedil;&atilde;o; Ci&ecirc;ncia, Tecnologia e Informa&ccedil;&atilde;o; Desenvolvimento, Ind&uacute;stria e Com&eacute;rcio Exterior; e Defesa - para discutir altera&ccedil;&otilde;es no substitutivo que apresentou, acolhendo pontos considerados importantes por esses setores.</p> <p> <em>Edi&ccedil;&atilde;o: Davi Oliveira</em></p> <p style="margin-bottom: 0cm"><em>Todo o conte&uacute;do deste site est&aacute; publicado sob a Licen&ccedil;a Creative Commons Atribui&ccedil;&atilde;o 3.0 Brasil. &Eacute; necess&aacute;rio apenas dar cr&eacute;dito &agrave; </em><em>Ag&ecirc;ncia Brasil</em></p> câmara dos deputados Comissão de Ciência e Tecnologia experiência com cães Instituto Royal Marco Antonio Raupp Pesquisa e Inovação uso de cães Wed, 23 Oct 2013 19:44:11 +0000 davi.oliveira 733546 at http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil Vereadores de São Roque vão investigar Instituto Royal http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/noticia/2013-10-22/vereadores-de-sao-roque-vao-investigar-instituto-royal <p>Elaine Patricia Cruz<br /> <em>Rep&oacute;rter da Ag&ecirc;ncia Brasil</em></p> <p> S&atilde;o Paulo &ndash; Os vereadores da C&acirc;mara Municipal de S&atilde;o Roque (SP) instauraram&nbsp; uma comiss&atilde;o especial de inqu&eacute;rito (CEI) para investigar as a&ccedil;&otilde;es do Instituto Royal no munic&iacute;pio. Hoje (22) ocorreu a primeira reuni&atilde;o da comiss&atilde;o. A comiss&atilde;o &eacute; presidida pelo vereador Marcos Augusto Issa Henriques de Ara&uacute;jo (PMDB), com relatoria do vereador Fl&aacute;vio Andrade de Brito (PDT) e vice-presid&ecirc;ncia de Adenilson Correia (PSL).</p> <p> Na madrugada de sexta-feira (18), manifestantes invadiram o instituto e levaram animais usados em pesquisas laboratoriais. Eles acusam o Royal de praticar maus-tratos a cobaias, como beagles e ratos.</p> <p> Em sua primeira reuni&atilde;o, a comiss&atilde;o decidiu encaminhar of&iacute;cios aos &oacute;rg&atilde;os p&uacute;blicos competentes para solicitar c&oacute;pias de licen&ccedil;as, alvar&aacute;s e de outros documentos necess&aacute;rios para o funcionamento do Instituto Royal. Tamb&eacute;m ser&aacute; enviado um requerimento ao Departamento de Planejamento da prefeitura solicitando informa&ccedil;&otilde;es sobre a adequa&ccedil;&atilde;o do local. A comiss&atilde;o tamb&eacute;m pretende convocar servidores p&uacute;blicos e ex-funcion&aacute;rios do instituto para prestar esclarecimentos.</p> <p> Os trabalhos da comiss&atilde;o ter&atilde;o o prazo de 90 dias para serem conclu&iacute;dos, podendo ser prorrogado. Os encontros ser&atilde;o feitos sempre &agrave;s quartas-feiras.</p> <p> Tamb&eacute;m hoje (22) foi criada uma comiss&atilde;o externa na C&acirc;mara dos Deputados para investigar o instituto. A comiss&atilde;o ser&aacute; coordenada pelo deputado federal Delegado Prot&oacute;genes (PCdoB-SP), com relatoria do deputado Ricardo Izar (PSD-SP). A comiss&atilde;o pretende investigar os preju&iacute;zos decorrentes da invas&atilde;o ao instituto e apurar se a empresa maltratava os animais.</p> <p> <em>Edi&ccedil;&atilde;o: F&aacute;bio Massalli</em></p> <p> Todo o conte&uacute;do deste site est&aacute; publicado sob a Licen&ccedil;a Creative Commons Atribui&ccedil;&atilde;o 3.0 Brasil. Para reproduzir o material &eacute; necess&aacute;rio apenas dar cr&eacute;dito &agrave; <strong>Ag&ecirc;ncia Brasil</strong></p> beagle Concea experimento com animais Instituto Royal maus-tratos a animais Nacional São Roque SBPC Vereadores Tue, 22 Oct 2013 21:20:22 +0000 fabio.massalli 733456 at http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil Cães retirados do Instituto Royal não sofriam maus-tratos, diz coordenador do Concea http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/noticia/2013-10-22/caes-retirados-do-instituto-royal-nao-sofriam-maus-tratos-diz-coordenador-do-concea <p>Fernanda Cruz<br /> <em>Rep&oacute;rter da Ag&ecirc;ncia da Brasil</em></p> <p> S&atilde;o Paulo &ndash; Nenhum animal retirado do laborat&oacute;rio do Instituto Royal, em S&atilde;o Roque, no interior paulista, sofria maus-tratos ou tinha mutila&ccedil;&otilde;es, declarou o coordenador do Conselho Nacional de Controle de Experimenta&ccedil;&atilde;o Animal (Concea) e membro da diretoria da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ci&ecirc;ncia (SBPC), o m&eacute;dico Marcelo Morales.</p> <p> Morales disse que os maus-tratos aos c&atilde;es da ra&ccedil;a beagle<em>, </em>suspeita que levou ativistas de defesa dos animais a invadirem o laborat&oacute;rio na madrugada da &uacute;ltima sexta-feira, poderiam at&eacute; prejudicar os experimentos. &ldquo;Se os animais sofrem durante a pesquisa, isso interfere no pr&oacute;prio experimento. N&atilde;o &eacute; interesse &eacute;tico, nem cient&iacute;fico, que os animais sofram, muito pelo contr&aacute;rio. Os animais t&ecirc;m que estar saud&aacute;veis, sem estresse e em boas condi&ccedil;&otilde;es para que se tenham resultados confi&aacute;veis&rdquo;, disse.</p> <p> Segundo o m&eacute;dico, o instituto era acompanhado pelo Concea, conselho ligado ao Minist&eacute;rio da Ci&ecirc;ncia, Tecnologia e Inova&ccedil;&atilde;o (MCTI) e ao Minist&eacute;rio da Sa&uacute;de, nos testes para medicamentos coadjuvantes na cura do c&acirc;ncer, al&eacute;m de&nbsp; antibi&oacute;ticos e fitoter&aacute;picos da flora brasileira, feitos a partir de mol&eacute;culas descobertas por brasileiros. &ldquo;Era um laborat&oacute;rio que dava suporte para a independ&ecirc;ncia do Brasil em rela&ccedil;&atilde;o &agrave; novos f&aacute;rmacos&rdquo;, informou. &ldquo;Milh&otilde;es de reais foram jogados no lixo e anos de pesquisas para o benef&iacute;cio dos brasileiros e dos animais tamb&eacute;m foram perdidos&rdquo;.</p> <p> O MCTI contabiliza, no pa&iacute;s, em torno de 400 institui&ccedil;&otilde;es credenciadas ou em processo de credenciamento para fazer experimentos com animais. O m&eacute;dico ressaltou que o Brasil tem um marco regulat&oacute;rio com leis r&iacute;gidas para o controle dessas pesquisas.</p> <p> Morales destacou que nenhum lugar do mundo pro&iacute;be testes com animais. &ldquo;Pesquisas que o Brasil est&aacute; fazendo e se despontando como c&eacute;lulas tronco n&atilde;o seriam poss&iacute;veis sem a utiliza&ccedil;&atilde;o de animais. Pesquisas com terapia g&ecirc;nica, outras pesquisas importantes na cura do c&acirc;ncer, que est&atilde;o sendo desenvolvidas por pesquisadores brasileiros, dependem do uso de animais&rdquo;, disse.</p> <p> O membro do Concea esclareceu ainda que existem poucos m&eacute;todos alternativos para substituir as cobaias em testes e a obten&ccedil;&atilde;o dessa&nbsp; metodologia pode levar entre 15 e 20 anos para ser desenvolvida. Na ind&uacute;stria de cosm&eacute;ticos, por&eacute;m, essas t&eacute;cnicas s&atilde;o usadas com maior efici&ecirc;ncia. &ldquo;Um exemplo &eacute; o <em>kit </em>de pele artificial humana. As ind&uacute;strias mais s&eacute;rias do mundo n&atilde;o utilizam animais para testes de cosm&eacute;ticos&rdquo;, explicou.</p> <p> De acordo com Morales, os c&atilde;es da ra&ccedil;a beagle s&atilde;o padr&atilde;o no mundo inteiro para o teste de f&aacute;rmacos por suas caracter&iacute;sticas. Al&eacute;m do temperamento d&oacute;cil e da facilidade de manuseio, ele t&ecirc;m maior similaridade com o condicionamento do organismo humano. O m&eacute;dico disse que os cachorros retirados pelos ativistas viviam em um ambiente protegido, chamado de biot&eacute;rio, sem contato com o meio externo. &ldquo;N&atilde;o se pode tirar animais que foram criados em biot&eacute;rios dessa forma repentina, porque eles podem morrer. Eles est&atilde;o em risco neste momento&rdquo;, disse.</p> <p> <em>Edi&ccedil;&atilde;o: F&aacute;bio Massalli</em></p> <p> Todo o conte&uacute;do deste site est&aacute; publicado sob a Licen&ccedil;a Creative Commons Atribui&ccedil;&atilde;o 3.0 Brasil. Para reproduzir o material &eacute; necess&aacute;rio apenas dar cr&eacute;dito &agrave; <strong>Ag&ecirc;ncia Brasil</strong></p> beagle Concea experimento com animais Instituto Royal maus-tratos a animais Nacional SBPC Tue, 22 Oct 2013 20:34:02 +0000 fabio.massalli 733451 at http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil Polícia abre dois inquéritos para investigar ações de ativistas e do Instituto Royal http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/noticia/2013-10-22/policia-abre-dois-inqueritos-para-investigar-acoes-de-ativistas-e-do-instituto-royal <p>Elaine Patricia Cruz<br /> <em>Rep&oacute;rter da Ag&ecirc;ncia Brasil</em></p> <p> S&atilde;o Paulo - A Pol&iacute;cia Civil em S&atilde;o Roque (SP) abriu dois inqu&eacute;ritos para investigar a atua&ccedil;&atilde;o dos ativistas e do Instituto Royal, laborat&oacute;rio que usa animais para pesquisas. Um dos inqu&eacute;ritos vai investigar a den&uacute;ncia de maus-tratos praticados pelo instituto contra os animais. O segundo inqu&eacute;rito a ocorr&ecirc;ncia de furto qualificado e danos ao patrim&ocirc;nio praticados pelos manifestantes durante a invas&atilde;o ao local.</p> <p> O delegado Marcelo Pontes disse &agrave; <strong>Ag&ecirc;ncia Brasil </strong>que pretende ouvir os funcion&aacute;rios do laborat&oacute;rio e tamb&eacute;m os manifestantes. Hoje (22), dois advogados do laborat&oacute;rio foram convocados para fazer a intermedia&ccedil;&atilde;o dos depoimentos. O delegado informou ter identificado pelo menos 18 ativistas que participaram da invas&atilde;o, seis deles de S&atilde;o Roque. Todos est&atilde;o sendo convocados para prestar depoimento.</p> <p> Pontes disse que dos 178 cachorros que foram retirados do laborat&oacute;rio na madrugada da sexta-feira (18), apenas dois foram localizados no bairro do Carmo, em S&atilde;o Roque. Os dois animais foram entregues para um fiel deposit&aacute;rio. Os ativistas que invadiram o instituto acusam o Royal pela pr&aacute;tica de maus-tratos com c&atilde;es da ra&ccedil;a beagle, ratos e outros animais utilizados nas pesquisas laboratoriais.</p> <p> Por meio de nota, a assessoria de imprensa do instituto negou a den&uacute;ncia de maus-tratos. &ldquo;O instituto n&atilde;o maltrata e nunca maltratou animais, raz&atilde;o pela qual nega veementemente as infundadas e levianas acusa&ccedil;&otilde;es de maltrato a seus c&atilde;es. Sobre esse ponto, o instituto lamenta que alguns de seus c&atilde;es, furtados na madrugada da &uacute;ltima sexta-feira, estejam sendo abandonados&rdquo;, diz a nota, acrescentando que todas as atividades desenvolvidas no local s&atilde;o acompanhadas por &oacute;rg&atilde;os de fiscaliza&ccedil;&atilde;o.</p> <p> Para o instituto, a invas&atilde;o de sua sede constituiu um &ldquo;ato de grave viol&ecirc;ncia, com s&eacute;rios preju&iacute;zos para a sociedade brasileira, pois dificulta o desenvolvimento de pesquisa cient&iacute;fica no ramo da sa&uacute;de&rdquo;. A invas&atilde;o ao local, segundo o Royal, provocou a perda de pesquisas e de um patrim&ocirc;nio gen&eacute;tico que levou mais de dez anos para ser reunido. O instituto esclarece que os animais suprimidos na &uacute;ltima sexta-feira, quando recuperados, ser&atilde;o recebidos e recolhidos pelo Royal. Eles receber&atilde;o o tratamento veterin&aacute;rio adequado e poder&atilde;o ser colocados para doa&ccedil;&atilde;o.</p> <p> Segundo a Sociedade Brasileira para o Progresso para a Ci&ecirc;ncia (SBPC), o Instituto Royal j&aacute; fez v&aacute;rias pesquisas, que contribu&iacute;ram para o desenvolvimento de novos medicamentos e biof&aacute;rmacos para a ind&uacute;stria farmac&ecirc;utica nacional.</p> <p> O deputado federal Delegado Prot&oacute;genes (PCdoB/SP) visitou o instituto no final de semana e concluiu que havia ind&iacute;cios de maus-tratos no local. Hoje (22), segundo informa&ccedil;&otilde;es do gabinete confirmadas &agrave; <strong>Ag&ecirc;ncia Brasil, </strong>o deputado protocolou um requerimento propondo a cria&ccedil;&atilde;o de uma Comiss&atilde;o Especial na Comiss&atilde;o de Seguran&ccedil;a P&uacute;blica e Combate ao Crime Organizado para fiscalizar e acompanhar os trabalhos da Pol&iacute;cia Civil e do Minist&eacute;rio P&uacute;blico nas investiga&ccedil;&otilde;es. Dentro da comiss&atilde;o, Prot&oacute;genes tamb&eacute;m pretende propor uma lei que pro&iacute;be o teste em animais.</p> <p> J&aacute; o deputado Ricardo Izar (PSD/SP), presidente da Frente Parlamentar em Defesa dos Direitos dos Animais, informou ter protocolado hoje um requerimento no Minist&eacute;rio da Ci&ecirc;ncia e Tecnologia para recomendar a ado&ccedil;&atilde;o de a&ccedil;&otilde;es que restrinjam o uso de animais para pesquisas do setor de cosm&eacute;ticos.</p> <p> Na manh&atilde; de s&aacute;bado, os manifestantes fizeram um protesto em S&atilde;o Roque, bloqueando os dois sentidos da Rodovia Raposo Tavares, pr&oacute;ximo ao quil&ocirc;metro 56. Para dispersar os manifestantes, os policiais utilizaram bombas de efeito moral e balas de borracha. Ve&iacute;culos da Pol&iacute;cia Militar e da imprensa foram depredados e queimados durante o ato. V&aacute;rias pessoas ficaram feridas, entre elas, uma rep&oacute;rter do jornal <em>O Globo, </em>atingida por balas de borracha e cassetetes mesmo ap&oacute;s ter se identificado aos policiais como jornalista. Quatro pessoas foram detidas e depois liberadas pela pol&iacute;cia.</p> <p> Os manifestantes criaram tamb&eacute;m uma peti&ccedil;&atilde;o <em>online </em>em que pedem o fim do uso de animais pelo Instituto Royal. At&eacute; o momento, a peti&ccedil;&atilde;o tem mais de 474 mil assinaturas.</p> <p> <em>Edi&ccedil;&atilde;o: F&aacute;bio Massalli</em></p> <p> Todo o conte&uacute;do deste site est&aacute; publicado sob a Licen&ccedil;a Creative Commons Atribui&ccedil;&atilde;o 3.0 Brasil. Para reproduzir o material &eacute; necess&aacute;rio apenas dar cr&eacute;dito &agrave; <strong>Ag&ecirc;ncia Brasil</strong></p> animais Instituto Royal Nacional São Roque uso de animais em pesquisa Tue, 22 Oct 2013 20:12:11 +0000 fabio.massalli 733447 at http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil Confronto em São Roque termina com quatro pessoas detidas http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/noticia/2013-10-19/confronto-em-sao-roque-termina-com-quatro-pessoas-detidas <p style="margin-bottom: 0cm"><i>Da Ag&ecirc;ncia Brasil </i></p> <p> S&atilde;o Paulo &ndash; Dois homens e duas mulheres foram detidos durante o protesto realizado hoje (19) em S&atilde;o Roque contra o Instituto Royal, mas ainda n&atilde;o foi poss&iacute;vel contabilizar o n&uacute;mero de feridos, segundo informa&ccedil;&otilde;es da Pol&iacute;cia Militar (PM).</p> <p>Desde a noite de quinta-feira (17) os ativistas ent&atilde;o no local. Na madrugada de sexta-feira (18), eles invadiram o local e levaram os animais. Os manifestantes denunciam que o instituto praticou maus-tratos contra c&atilde;es e outros animais em pesquisas laboratoriais. Mas, o Minist&eacute;rio da Ci&ecirc;ncia, Tecnologia e Inova&ccedil;&atilde;o informou que a situa&ccedil;&atilde;o do Instituto Royal &eacute; regular no Conselho Nacional de Controle de Experimenta&ccedil;&atilde;o Animal (Concea), &oacute;rg&atilde;o ligado &agrave; pasta. O instituto &ldquo;encontra-se dentro da legalidade para uso cient&iacute;fico de animais&rdquo;, diz em nota o minist&eacute;rio. O Royal usa c&atilde;es da ra&ccedil;a beagle, ratos e outros animais para pesquisas laboratoriais.</p> <p style="margin-bottom: 0cm">O Minist&eacute;rio P&uacute;blico de S&atilde;o Paulo disse que investiga o instituto desde o ano passado por den&uacute;ncia de maus-tratos a c&atilde;es. Ontem (18), uma decis&atilde;o da Justi&ccedil;a paulista proibiu a entrada de manifestantes no laborat&oacute;rio.</p> <p> No protesto, que teve in&iacute;cio por volta das 10h de hoje, foram bloqueados os dois sentidos da Rodovia Raposo Tavares, pr&oacute;ximo ao quil&ocirc;metro 56, em S&atilde;o Roque. Para dispersar os manifestantes, os policiais utilizaram bombas de efeito moral e balas de borracha. Carros da PM e da imprensa foram depredados e queimados. V&aacute;rias pessoas ficaram feridas.</p> <p> <i>Edi&ccedil;&atilde;o: Andr&eacute;a Quintiere</i></p> <p style="margin-bottom: 0cm"><em>Todo o conte&uacute;do deste site est&aacute; publicado sob a Licen&ccedil;a Creative Commons Atribui&ccedil;&atilde;o 3.0 Brasil. Para reproduzir as mat&eacute;rias &eacute; necess&aacute;rio apenas dar cr&eacute;dito &agrave; </em><strong>Ag&ecirc;ncia Brasil</strong></p> animais Instituto Royal manifestação Ministério Público de Sao Paulo Nacional pesquisa em animais polícia militar protesto São Roque Sat, 19 Oct 2013 21:21:33 +0000 aquintiere 733251 at http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil São Paulo: ativistas de direitos dos animais e PMs entram em confronto http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/noticia/2013-10-19/sao-paulo-ativistas-de-direitos-dos-animais-e-pms-entram-em-confronto <p><em>Da Ag&ecirc;ncia Brasil</em></p> <p> S&atilde;o Paulo - Manifestantes que defendem os direitos dos animais e policiais militares entraram em confronto na manh&atilde; de hoje (19) ap&oacute;s um protesto contra o Instituto Royal, na Rodovia Raposo Tavares, entre os quil&ocirc;metros 55 e 56, em S&atilde;o Roque, no interior de S&atilde;o Paulo.</p> <p> Para dispersar os manifestantes, que bloquearam os dois sentidos da rodovia e queriam se aproximar da sede do instituto, os policiais usaram bombas de efeito moral. Houve tamb&eacute;m depreda&ccedil;&atilde;o e fogo em ve&iacute;culos da Pol&iacute;cia Militar e da imprensa.</p> <p> Desde a noite de quinta-feira (17) ativistas ent&atilde;o no local. Na madrugada de sexta-feira (18), os manifestantes invadiram o instituto e levaram os animais. Eles acusam o instituto maltratar c&atilde;es da ra&ccedil;a beagle, ratos e outros animais usados em pesquisas laboratoriais.</p> <p>Por meio de nota, a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ci&ecirc;ncia informou que o Instituto Royal &eacute; uma Organiza&ccedil;&atilde;o da Sociedade Civil de Interesse P&uacute;blico (Oscip), criada para promover o desenvolvimento e a pesquisa de tecnologias inovadoras. &ldquo;O instituto realiza estudos de avalia&ccedil;&atilde;o de risco e seguran&ccedil;a de novos medicamentos. Todos os seus experimentos s&atilde;o conduzidos de acordo com protocolos utilizados internacionalmente&rdquo;, diz o texto, ressaltando que as pesquisas atendem a todas as exig&ecirc;ncias feitas pela Ag&ecirc;ncia Nacional de Vigil&acirc;ncia Sanit&aacute;ria (Anvisa).</p> <p> <em>Edi&ccedil;&atilde;o: Talita Cavalcante</em></p> <p><em>Todo o conte&uacute;do deste site est&aacute; publicado sob a Licen&ccedil;a Creative Commons Atribui&ccedil;&atilde;o 3.0 Brasil. Para reproduzir o material &eacute; necess&aacute;rio apenas dar cr&eacute;dito &agrave; <strong>Ag&ecirc;ncia Brasil </strong></em></p> animais confronto Instituto Royal Nacional polícia militar são paulo Sat, 19 Oct 2013 16:03:55 +0000 talita.cavalcante 733236 at http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil