enfrentamento às drogas http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/agenciabrasil/taxonomy/term/143278/all pt-br MEC anuncia parceria com Conselho Federal de Psicologia para combater violência nas escolas http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/agenciabrasil/noticia/2012-09-20/mec-anuncia-parceria-com-conselho-federal-de-psicologia-para-combater-violencia-nas-escolas <p> Elaine Patricia Cruz<br /> <em>Rep&oacute;rter da Ag&ecirc;ncia Brasil</em></p> <p> S&atilde;o Paulo &ndash; Para enfrentar a viol&ecirc;ncia nas escolas brasileiras, o Minist&eacute;rio da Educa&ccedil;&atilde;o assinou hoje (20) uma parceria com o Conselho Federal de Psicologia. A parceria prev&ecirc; um estudo sobre viol&ecirc;ncia nas escolas, elabora&ccedil;&atilde;o de materiais did&aacute;ticos e forma&ccedil;&atilde;o de professores para o combate &agrave; viol&ecirc;ncia no ambiente escolar.</p> <p> De acordo com o ministro Aloizio Mercadante, oito universidades tamb&eacute;m v&atilde;o colaborar com o projeto. Entre os temas que ser&atilde;o trabalhados dentro das escolas est&atilde;o enfrentamento &agrave;s drogas, gravidez precoce, homofobia, racismo, discrimina&ccedil;&atilde;o, <em>bullying </em>e <em>bullying </em>eletr&ocirc;nico (feito por meio das redes sociais).</p> <p> &ldquo;Temos estimado em torno de 8 mil jovens, meninos e meninas, que voltam para casa com todo tipo de constrangimento e que muitas vezes s&atilde;o v&iacute;timas de <em>bullying </em>na escola. Precisamos tratar esses temas com responsabilidade e cuidado, mas enfrent&aacute;-los no sentido de respeito &agrave; diversidade, ao outro, a valores como os direitos humanos. Os professores e alunos tamb&eacute;m precisam aprender a solu&ccedil;&atilde;o dos conflitos por meio de di&aacute;logo&rdquo;, disse o ministro.</p> <p> Segundo Mercadante, o trabalho de campo ser&aacute; feito em todo o pa&iacute;s. &ldquo;Vamos trabalhar em todas as regi&otilde;es do pa&iacute;s, nos v&aacute;rios n&iacute;veis do processo educacional - com pais, alunos e professores - e elaborar materiais pedag&oacute;gicos, programas de preven&ccedil;&atilde;o e subs&iacute;dios para aprimorar a pr&aacute;tica pedag&oacute;gica e criar uma escola mais atrativa, feliz, respeitosa e pac&iacute;fica&rdquo;, disse.</p> <p> O projeto, de acordo com o ministro, ter&aacute; in&iacute;cio em breve. &ldquo;Em duas semanas estaremos iniciando o processo de trabalho, mas eu diria que o desenvolvimento pleno desse trabalho &eacute; para 2013&rdquo;.</p> <p> A expectativa do ministro &eacute; que, com esse projeto, os &ldquo;professores tenham mais subs&iacute;dios e melhores condi&ccedil;&otilde;es para lidar com esses desafios&rdquo;. Os novos materiais did&aacute;ticos, voltados para o combate da viol&ecirc;ncia nas escolas, estar&aacute; dispon&iacute;vel logo ap&oacute;s a pesquisa de campo ser finalizada. Tamb&eacute;m ser&aacute; desenvolvido um trabalho de forma&ccedil;&atilde;o de professores para trabalhar com esses temas nas escolas.</p> <p> Para Toni Reis, presidente da Associa&ccedil;&atilde;o Brasileira de L&eacute;sbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT) e conselheiro do Conselho Nacional LGBT (L&eacute;sbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transg&ecirc;neros), a parceria &eacute; positiva.</p> <p> &ldquo;Vejo com bons olhos a amplia&ccedil;&atilde;o dessa parceria. &Eacute; fundamental n&atilde;o s&oacute; para a quest&atilde;o da homofobia como tamb&eacute;m para a que envolve drogas, <em>bullying</em> etc. &Eacute; fundamental que a escola seja um lugar seguro para que as pessoas possam estudar, n&atilde;o sejam discriminadas e n&atilde;o sofram a viol&ecirc;ncia que muitas vezes faz parte do cotidiano escolar&rdquo;, falou.</p> <p> Segundo Reis, a escola &eacute; um dos ambientes mais importante para que esse trabalho seja desenvolvido. &ldquo;A escola &eacute; um momento em que as pessoas convivem e as pessoas t&ecirc;m que aprender a respeitar o outro e esse outro pode ser evang&eacute;lico, cat&oacute;lico, ateu, de uma religi&atilde;o africana, judeu ou ind&iacute;gena, mas as pessoas t&ecirc;m que aprender a respeitar o ser humano como um todo&rdquo;, disse.</p> <p> Durante a 2&ordf; Mostra Nacional de Pr&aacute;ticas de Psicologia, que ocorre at&eacute; o dia 22 no Anhembi, em S&atilde;o Paulo, o presidente do conselho, Humberto Verona, anunciou tamb&eacute;m uma parceria entre o &oacute;rg&atilde;o e a Secretaria de Direitos Humanos da Presid&ecirc;ncia da Rep&uacute;blica para ajudar na cria&ccedil;&atilde;o de comit&ecirc;s de combate &agrave; homofobia em todos os estados brasileiros.</p> <p> <em>Edi&ccedil;&atilde;o: F&aacute;bio Massalli</em></p> bullying bullying eletrônico Cidadania Conselho Federal de Psicologia discriminação Educação enfrentamento às drogas gravidez precoce homofobia mec racismo violência nas escolas Thu, 20 Sep 2012 23:03:54 +0000 fabio.massalli 703672 at http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/agenciabrasil