revolução industrial http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/agenciabrasil/taxonomy/term/134666/all pt-br Crescimento populacional deve ser um dos temas centrais dos debates da Rio+20, diz cientista http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/agenciabrasil/noticia/2012-06-04/crescimento-populacional-deve-ser-um-dos-temas-centrais-dos-debates-da-rio20-diz-cientista <p> Vladimir Platonow<br /> <em>Rep&oacute;rter da Ag&ecirc;ncia Brasil</em></p> <p> Rio de Janeiro &ndash; O r&aacute;pido aumento populacional no planeta - que passou de 1 bilh&atilde;o de habitantes, no s&eacute;culo 19, para os atuais 7 bilh&otilde;es &ndash; deve ser um dos temas centrais dos debates sobre desenvolvimento sustent&aacute;vel durante a Rio+20. A opini&atilde;o &eacute; do cientista holand&ecirc;s Sander Van der Leeuw, reitor da Escola de Sustentabilidade da Universidade do Estado do Arizona (EUA), escolhido um dos vencedores do pr&ecirc;mio Campe&otilde;es da Terra 2012, concedido anualmente pelo Programa das Na&ccedil;&otilde;es Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma). O an&uacute;ncio aconteceu hoje (4), em cerim&ocirc;nia realizada no Hotel Copacabana Palace, no Rio de Janeiro.</p> <p> Arque&oacute;logo e historiador, autor de 17 livros sobre as rela&ccedil;&otilde;es do homem com o meio ambiente, Van der Leeuw diz que o aumento populacional abrupto come&ccedil;ou h&aacute; cerca de 200 anos com a Revolu&ccedil;&atilde;o Industrial.</p> <p> &ldquo;De repente, a energia se tornou dispon&iacute;vel t&atilde;o facilmente que nos permitiu introduzir todos os tipos de inven&ccedil;&otilde;es. Para manter nosso PIB [Produto Interno Bruto] crescendo, inventamos mais e mais e trouxemos mais pessoas para o sistema. Criamos todos os tipos de avan&ccedil;os na sa&uacute;de e, automaticamente, a demografia se tornou, de fato, uma consequ&ecirc;ncia n&atilde;o intencional do sistema&rdquo;, explica o professor.</p> <p> Van der Leeuw considera que a quest&atilde;o demogr&aacute;fica deve ser um dos temas centrais dos debates da Rio+20. &ldquo;N&oacute;s vamos ter de fazer escolhas referentes &agrave; sustentabilidade do nosso mundo. Cada povo vai ter que fazer suas pr&oacute;prias escolhas, mas &eacute; verdade que algumas dessas escolhas afetam outros pa&iacute;ses, outras regi&otilde;es. &Eacute; uma quest&atilde;o fundamental, &eacute; algo que precisamos rever pensando em que tipo de mundo n&oacute;s queremos criar.&rdquo;</p> <p> Apesar de diagnosticar a gravidade e a urg&ecirc;ncia da situa&ccedil;&atilde;o, Van der Leeuw n&atilde;o se define pessimista, mas tampouco otimista. &ldquo;Se eu falar como arque&oacute;logo, olhando pela perspectiva de 10 mil ou 100 mil anos, eu sou muito otimista. Sinto que as pessoas, no final, sempre encontraram solu&ccedil;&otilde;es. N&oacute;s sempre demos um jeito de nos adaptar &agrave;s condi&ccedil;&otilde;es dif&iacute;ceis que &iacute;amos encontrando. Mas se olharmos no curto prazo, ent&atilde;o sou mais pessimista, no sentido de que as coisas est&atilde;o se movendo t&atilde;o r&aacute;pidas que eu n&atilde;o sei se teremos tempo de agir.&rdquo;</p> <p> Segundo o cientista, embora o debate religioso cause impacto nas quest&otilde;es demogr&aacute;ficas, pois as religi&otilde;es s&atilde;o contra o controle da natalidade por m&eacute;todos contraceptivos, outros fatores, como os avan&ccedil;os na medicina, tamb&eacute;m s&atilde;o respons&aacute;veis pelo aumento da popula&ccedil;&atilde;o no planeta.</p> <p> &ldquo;N&atilde;o &eacute; apenas a quest&atilde;o religiosa. Existe o incr&iacute;vel impacto da medicina, que mudou nossa expectativa de vida. As pessoas hoje vivem at&eacute; os 94 anos, em vez de 62 anos. Tudo isso criou um r&aacute;pido crescimento da popula&ccedil;&atilde;o e n&oacute;s precisamos ver o que podemos fazer a respeito. Um exemplo &eacute; a China, que decidiu controlar sua popula&ccedil;&atilde;o de forma r&iacute;gida.&rdquo;</p> <p> Tamb&eacute;m receberam o pr&ecirc;mio Campe&otilde;es da Terra 2012 o presidente da Mong&oacute;lia, Tsakhia Elbegdorj, por priorizar energias limpas em seu pa&iacute;s; o sult&atilde;o dos Emirados &Aacute;rabes Unidos Ahmed Al Jaber e o brasileiro F&aacute;bio Barbosa, por seus esfor&ccedil;os em incluir sustentabilidade nos neg&oacute;cios; o su&iacute;&ccedil;o Bertrand Piccard, pelas experi&ecirc;ncias com transportes movidos a energias sustent&aacute;veis, e o queniano Samson Parashina, pela luta pessoal em defesa dos animais selvagens de seu pa&iacute;s.</p> <p> <em>Edi&ccedil;&atilde;o: F&aacute;bio Massalli</em></p> Campeões da Terra crescimento populacional debate demográfica energia Escola de Sustentabilidade da Universidade Meio Ambiente métodos contraceptivos Pnuma população revolução industrial Rio+20 Sander Van der Leeuw sustentabilidade Tue, 05 Jun 2012 02:25:21 +0000 fabio.massalli 696394 at http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/agenciabrasil