Rocinha: 350 policiais militares reforçarão patrulhamento na comunidade

09/04/2012 - 16h13

Da Agência Brasil

 

Rio de Janeiro - Depois de dez mortes em menos de dois meses, a Polícia Militar (PM) prometeu aumentar a segurança na Rocinha, na zona sul do Rio de Janeiro. O estopim para a decisão foi a morte do cabo do Batalhão de Choque da PM Rodrigo Alves Cavalcante, 33 anos, baleado na última quinta-feira (4), durante um patrulhamento no alto do morro. De acordo com a corporação, o número de policiais vai saltar de 350 para 700.

O porta-voz da Polícia Militar, capitão Ivan Blaz, explicou que o aumento do efetivo na comunidade se deu em função das "demandas estarem ficando mais críticas", após os tiroteios que ocorreram, na última sexta-feira (5), entre policiais e criminosos que ainda persistem no local. 

"Na Rocinha, o desafio é pacificar a comunidade que há tantos anos esteve sob o domínio dos marginais da lei que ali viviam. Hoje nós estamos vencendo a primeira etapa que é a retomada do território", disse.

De acordo com o capitão, o investimento na segurança está sendo feito na realocação dos homens para atuar no entorno da comunidade; na utilização de carros e motocicletas no interior da Rocinha; além do reforço no policiamento a pé para o patrulhamento das vielas.

Ele adiantou que a polícia ganhará novos equipamentos tecnológicos para reforçar a segurança, mas não soube especificar a data. "São inúmeras vielas de difícil acesso e que contam com construções irregulares, que favorecem a ação marginal. Agora estamos investindo para que possamos diminuir os riscos. Investir no homem no terreno essa é a maior técnica que podemos utilizar para coibir a ação criminosa", completou.  

Além do aumento do efetivo de policiais, o Centro de Comando de Operações, posto de monitoramento localizado na periferia da Rocinha, foi transferido para o interior da comunidade, a fim de melhorar a distribuição dos policiais e reforçar o patrulhamento.

Segundo a assessoria de imprensa da Polícia Militar, em quatro meses, quase 500 quilos de cocaína e mais de 20 quilos de maconha foram apreendidos, além de quantidades significativas de haxixe, crack e lança-perfume. Ainda de acordo com a assessoria, até meados de março, foram apreendidos 59 fuzis, 36 pistolas, nove carabinas, sete espingardas e nove metralhadoras.

 

Edição: Lílian Beraldo