Racionamento de gás natural está descartado até quinta-feira, diz ministro

10/04/2006 - 22h25

Ana Larissa Albuquerque
Da Agência Brasil

Brasília - O ministro das Minas e Energia, Silas Rondeau, garantiu hoje (10) que até a meia-noite de quinta-feira (13) "a possibilidade de racionamento de gás natural está descartada e a população pode ficar tranqüila, porque não haverá corte no fornecimento".

Em entrevista coletiva, o ministro lembrou que na sexta-feira (7) foi anunciado um racionamento de 12% para as distribuidoras responsáveis pelo gás que chega às indústrias, residências e bombas (GNV, ou gás natural veicular). Mas ressalvou hoje que se a redução para esses consumidores for mesmo mesmo necessária, não deverá ultrapassar 9%.

Depois do rompimento de 800 metros de um duto operado pela Petrobras na Bolívia, no dia 2, devido a fortes chuvas, algumas medidas foram adotadas pelo ministério para não prejudicar o abastecimento de gás: a redução de 72% no suprimento que atende às termelétricas, de 51% no consumo da Petrobras em suas refinarias, e de até 12% na oferta de gás para as distribuidoras estaduais.

De acordo com o ministro Rondeau, a diminuição do gás fornecido para as usinas termelétricas não provoca redução do abastecimento de energia. "A situação é animadora, é preciso recompor os 800 metros que foram danificados, mas por enquanto vamos aproveitar um gasoduto paralelo para não prejudicar o abastecimento", afirmou Rondeau.

As obras no duto que transporta o gás vindo da Bolívia já começaram e a previsão do ministério é de que em 30 dias a situação esteja regularizada. No próximos dias, parte do condensado produzido na Bolívia será transportado por caminhões, acrescentou o ministro.