Restrição a plantio de transgênico preserva matrizes do algodão selvagem, diz pesquisador da Embrapa

29/10/2005 - 16h54

Brasília, 29/10/2005 (Agência Brasil - ABr) - O cultivo de algodão transgênico foi restringido pelo Ministério da Agricultura com o objetivo de preservar a cultura de algodão nativo e selvagem no país, explicou hoje (29), em entrevista à Rádio Nacional, o pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Paulo Barroso.

Portaria assinada nesta semana pelo ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, proíbe o cultivo do algodão transgênico no norte da Bahia; na região do Seridó que compreende parte da Paraíba e do Rio Grande do Norte; em toda a região norte; em Mato Grosso e em Mato Grosso do Sul.

"Caso ocorra cruzamento de um material transgênico com esses materiais selvagens pode haver uma descaracterização do ponto de vista genético. O algodão selvagem é muito importante, tanto no que se refere a sua preservação nos locais onde se encontra como pode fazer falta no futuro para a gente resolver problemas do próprio algodão com pesquisas", explicou Barroso.

Paulo Barroso disse ainda que o algodão selvagem brasileiro é uma fonte de genes importantes que servirão para melhorar "a condição genética de novos cultivares". E que a possibilidade de mistura com o transgênico "pode comprometer a diversidade da planta, com graves conseqüências no futuro".