13/07/2003 - 12h25

Pioneira do Fome Zero sente o cheiro de novidades

Xico Sá

"No ar, Rádio Esperança, falando diretamente de Guaribas, Piauí, Brasil, cidade piloto do programa Fome Zero."

Muitos moradores não acreditavam naquela voz que ouvia misturada às bombas e traques em louvor aos santos juninos. A estação comunitária chegou no embalo das novas empreitadas do governo do estado. Até nas bandas da Serra das Confusões, ali nos arredores da cidade, dá-se notícias de audiência da emissora.

Um espanto, como tudo que chegou recentemente a Guaribas - batismo que vem de um tipo de macaco que fazia graça há muito por aqueles serrotes.

Agora, tudo cheira a coisa nova por lá. "Velho aqui só a gente e a necessidade", diz dona Tereza Rocha, 88 anos, uma das moradoras mais antigas. "Aqui não chegava nem má notícia, de tão longe e isolado que era". Nem político se lembrava de pedir votos às almas penadas das redondezas.

Ainda é duro chegar à sede do município, que fica a 653 km da capital Teresina. Não é qualquer carro que agüenta o tranco. Nos últimos 60 km, um deserto de areia, quase sem moradores pelo caminho. É o trecho que vai de Caracol, município do qual se desmembrou na década passada, até lá.

"Meu filho, o Brasil foi descoberto em 1500 e Guaribas foi achada só agora, nesse ano. Aqui era a porteira do fim do mundo", diz Orlando Rocha, 62 anos, abismado com os últimos acontecimentos na cidade. "Agora vem gente de longe conhecer as coisas por aqui. Tudo tem seu tempo, chegou o nosso, nosso nome foi escrito no mapa".

"Seu" Orlando criou a família de dez filhos e netos a perder de vista ("só juntando pra contar") em uma Guaribas esquecida e isolada de quaisquer ações e políticas públicas. Só passava por lá quem tivesse se perdido. "Ou o vento, que faz a curva por aqui", diverte-se, acostumado com a poeira amarela que encobre a vista.

Guaribas vive a segunda gestão depois de emancipar-se. Só virou notícia, nesses quase oito anos de poder, porque o prefeito Reginaldo Correia da Silva (PL) foi denunciado pelo Ministério Público estadual, sob a acusação de arrendar a Prefeitura a amigos. Foi afastado do cargo em duas ocasiões. O caso tramita no Tribunal de Justiça do Piauí.

Boas novas

Detentora do terceiro pior Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) dos 5.507 municípios do Brasil, Guaribas foi "descoberta" como um dos laboratórios do programa Fome Zero, iniciado em março. Além de beneficiar inicialmente 500 famílias com R$ 50 para a compra de comida, o município assistiu à chegada de uma série de ações que mudou a paisagem e a situação dos moradores.

"Nunca ninguém na face da terra olhou por nós. A gente vivia jogado, como Deus criou batata", conta Tereza Rocha. "Vi muita gente morrendo aqui por falta de uma coisinha ou outra, uma ajuda, um 'adjitório' qualquer".

Em associação com o governo federal, o governo do Estado traçou um plano de desenvolvimento para o município. Um dos problemas mais graves, como em toda a nação do semi-árido nordestino e mineiro, é a falta de água em boas condições para uso. Um projeto, ainda em fase experimental, já permitiu que as donas de casa _ por conta da cultura machista, não se vê homem carregando uma lata de água _ tivessem acesso ao abastecimento na cidade mesmo. "Antes a gente tinha que andar um bocado, subir uns lajedos, um aperreio", diz Nalva Alves Rocha, de 23 anos. "Guaribas agora faz parte do mapa", repete.

Um processo de tratamento de um reservatório no centro da cidade, desenvolvido por técnicos do governo do Estado como parte do chamado "Sede Zero", começou a mudar esta rotina. A lata d’água continua na cabeça, mas a distância já é menos sofrida. Em vez de até quatro quilômetros, a água agora fica a alguns metros da porta de casa. A mesma equipe estuda a escavação de vários poços artesianos na cidade e nos povoados. É um desafio da administração estadual levar água para todos os 4.814 guaribenses.

Logo ao amanhecer do dia, a fila se forma diante do reservatório. "Meu filho, a gente pode dizer que já luxa. Vocês não têm idéia de como a gente vivia", narra Valda Alves da Silva, que administra Hotel Ferreira, o pioneiro, inaugurado este ano, apelidado de "abrigo das autoridades". Entre redes espalhadas no salão de entrada e camas nos quartos, tem capacidade para "umas trinta cabeças". O banho ainda é de cuia, mas o chuveiro está a caminho. Faz parte do 1% de domicílios com banheiro na cidade.

As condições econômicas miseráveis, a falta de água tratada e a desnutrição fizeram de Guaribas um lugar onde a expectativa de vida é de 56,11 anos, muito abaixo da média nacional de 68,1 anos. A mortalidade infantil ainda tem feições africanas, com 59,9 a cada mil crianças _ a média brasileira é de 29,6.
Não há estatística oficial, mas a coordenação do programa Fome Zero na área informa que não há registro de mortes de crianças nos últimos três meses.

Na rede

A maioria das mães perdeu filhos por conta da desnutrição. "Toda casa já mandou seus "anjinhos" pro colo de Nosso Senhor, num tem jeito", conta o agricultor João Bertoldo, 76, que viu escapar oito de seus 15 filhos. Guaribas nunca teve hospital ou médico. "Vi muita gente sendo retirada numa rede, carregada por homens nesses serrotes acima até chegar em um lugar que tivesse um carro para tentar salvar até uma cidade mais próxima", conta Orlando Rocha. O município ainda não tem hospital, mas agora conta com visita de médicos, o que é outra grande novidade.

Novidade é o que não falta em na Guaribas descoberta em 2003, como relatam os moradores. Durante os festejos juninos, além da rádio Esperança, a cidade assistiu à abertura da primeira lanchonete. Dias antes, havia sido aberto um salão de beleza pioneiro na região. "Com chapinha japonesa e tudo", anunciam os donos.

Por causa de uma agência dos Correios inaugurada também este ano, os aposentados e as famílias beneficiadas com programas sociais do governo não carecem mais de enfrentar a estrada de terra até Caracol ou São Raimundo Nonato, a quase 200 quilômetros dali.

As construções também chamam a atenção à frente dos serrotes rasgados de pedra que enfeitam a paisagem da cidade. Um mercado municipal e 66 casas populares estão sendo levantados como parte do programa de desenvolvimento. "Vocês vieram ver que a gente virou gente, né?", indaga Lídio Duarte Rocha, 27 anos. Ele trabalha como pedreiro em uma das casas, logo atrás de uma placa do Banco do Nordeste que anuncia a chegada à cidade do Fome Zero.

Com jeitão de lenda, os moradores contam histórias curiosas sobre a repercussão da fama do município fora da região. "A polícia, outro dia, em São Paulo, já ia prender um rapazinho. Mas quando ele mostrou os documentos e viram que era de Guaribas, ah, meu filho, mudou tudo, pediram desculpas até demais, pois era um cidadão da cidade mais ‘precisada’ do Brasil", narra o bom contador de histórias Orlando Rocha, com juras de veracidade que se sustentam e se encaracolam nos seus respeitáveis cabelos brancos.

As novidades repercutem nas localidades vizinhas. Acostumados a receberem os moradores de Guaribas para compras, os comerciantes de Caracol agora é que seguem até lá. Promovem feiras nas ruas, com suas mercadorias. "As coisas estão vindo até nós", diz dona Tereza Rocha. "Às vezes eu fico bestinha com o que anda acontecendo, parece que chegou a nossa vez. Ninguém descobriu o céu, mas que a gente agora é gente ninguém pode negar. E isso pode ser pouco para quem vive no bem-bom, mas pra nós não é não senhor."

Comunidade quilombola também quer entrar para o mapa

Se a Guaribas piauiense, cidade-piloto do programa Fome Zero, foi colocada no mapa, como dizem seus moradores, a sua xará pernambucana ainda aguarda a hora e a vez. Uma espera que se arrasta desde o século XIX, quando lá chegaram os primeiros negros que fugiam dos engenhos da região e formaram essa comunidade quilombola encravada em um pé de serra agreste de Bezerros, no agreste do Estado.

Da sede do município até o povoado são cerca de quarenta quilômetros. Nas ruas, ninguém dá notícia da localidade. "Sei não senhor, sei não senhor, sei não senhor", respondem os moradores, sempre depois daquele paciente gesto de passar a mão no queijo para matutar. No guia rodoviário também não consta.

Mesmo com a proximidade, é difícil encontrar uma viva alma que saiba o rumo. Já chegou carro por lá, mas nessa ocasião, com a piora de uma estrada que já era ruim, não foi possível. Guaribas de Baixo, como é chamada, ainda é um pedaço de terra arrodeado por preconceito e abandono por todos os lados.

"Ah, vocês vão lá na favela? Lá é perigoso, outro dia mataram dois", diz uma senhora da vizinhança, que faz questão de delimitar os territórios. "Olhe, aqui é Guaribas de Cima, a Guaribas deles começa bem ali", faz o gesto com os beiços.

Um cartaz na porta de uma casa, lembrança do II Encontro das Comunidades Quilombolas de Pernambuco, realizado este ano em Conceição das Crioulas (leia texto nesta página), não deixa dúvidas. "É Guariba de Baixo, sim senhor", confirma Flávio José da Silva, 13 anos, filho de uma das 52 famílias remanescentes de escravos que moram no local.

Morte por ali, só morte morrida, como dão notícia os próprios viventes do local. Pode-se dormir de portas e janelas escancaradas, como muita gente faz ainda em dias mais abafados pelo calor. Ladrões, nem de galinhas _ essa gente só é conhecida pelas poucas televisões que existem nos arredores.

Silva, Souza e Santos

Os Silva, como Flávio, os Souza, como seu primo Pedro, 11 anos, e os Santos, como a prima Josilene, de 26, formam o povoado. Quase todos são parentes entre si, como conta Maria Isabel da Conceição, 61, mãe de Josilene. "Netos e bisnetos do sofrimento de muito antigamente, nosso sina vem de longe, das moendas e do ‘carrasquismo’ dos engenhos", diz a xará da princesa que assinou a dita Lei Áurea, em 1888. "Agora é tudo livre, mas os direitos são poucos. A gente ainda apanha muito da vida".

A favela é uma pequena fileira de casas de taipa e de tijolos. Mais adiante, um campo de futebol onde os meninos apostam iguarias. Ao vencedor, doces e bolo de milho. O time tem ginga de um Camarões, narra José Levino Luis da Silva, 14 anos, um dos organizadores dos embates.

Sandro Lido de Souza, 28 anos, é o presidente da Associação dos Moradores do povoado quilombola. Representa Guaribas nos encontros políticos nos quais se discute a situação dos remanescentes. E se preocupa em não deixar apagar a memória dos antepassados. "A peleja que vivemos tem uma origem histórica, os mais jovens precisam ser lembrados disso sempre", diz.

Choveu muito na região este ano. O agreste anda verde, quase a desmentir a vocação geográfica para as dificuldades. É tanto sapo na lagoa ao lado que o "foi-não-foi" da cantoria encobre a conversa. Terreno molhado, mas ainda alheio, não representa fartura. "Não temos a posse da terra, o que nos obriga a plantar em pequenas áreas cedidas pelos outros", intervém Valdemar Lido de Souza, 65 anos, pai de Sandro e mais 15 filhos.

A maioria dos pais de família trabalha "alugado" aos proprietários da região. Um dia de serviço, quando muito, sai por R$ 8. E não tem vaga para todo mundo. Com a mão de obra em excesso, alguns fazendeiros abaixam o pagamento para R$ 5, R$ 6. A velha chantagem do pegar ou largar. "Cuidar do que é dos outros é perder um tempo danado", matuta o agricultor Lido de Souza.

O título da terra é uma demora. O processo, iniciado em 1996, com a assinatura de decreto pelo governo do Estado, perdeu-se na burocracia. "Mas nada pra nós é fácil, nunca foi", lembra da sua herança o presidente da associação de moradores. "Embora o que se pretende é apenas que se devolvam o que já foi nosso".

Chegada do Fome Zero

No mapa da insegurança alimentar, a Guaribas pernambucana está escalada para fazer parte do programa Fome Zero a partir deste mês. Com a comunidade, entram também os outros povoados quilombolas do Estado: Imbé, no município de Capoeiras; Negros de Jilú, em Itacurubá; Conceição das Crioulas, em Salgueiro; Serrote do Gado Brabo e Sítio Caldeirãozinho, ambas em São Bento do Una.

O programa vai atender, inicialmente, 142 comunidades de remanescentes de quilombos em todo o país. São 15 mil famílias, estabelece o acordo firmado entre o Ministério Extraordinário de Segurança Alimentar e Combate à Fome, a Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial e a Fundação Cultural Palmares.

Os líderes de Guaribas apostam na ajuda emergencial do cartão alimentação, com R$ 50 para as famílias mais necessitadas, como meio de reduzir o problema do alto número de crianças desnutridas na área. Não existe estatísticas sobre o assunto, mas vê-se, de forma explícita, nos olhos esbugalhados de meninos e meninas daquele corte do território agreste.

"Perdi a conta do que já vi de criança virar os ‘zoinhos’ por aqui", relembra Maria Isabel da Conceição, uma das moradoras mais antigas. "Muitas vezes por falta de uma besteirinha de nada, uma sustançazinha de nada, uma ‘peinha’ de nada".

13/07/2003 - 12h21

Guaribas, PI e PE, xarás na geografia da miséria

Xico Sá

Guaribas, 13/7/2003 (Agência Brasil - ABr) - Guaribas, Piauí, sempre foi xará de Guaribas, Pernambuco, no batismo, na necessidade e no esquecimento.

Para chegar na primeira, é preciso enfrentar crateras e um deserto de areia. A paciência _ aditivada _ é o combustível certo para os 653 km que separam a cidade da capital Teresina. Se for fraco, fica no meio da vereda. Tanto o homem como o carro. Moto, boa para laçar os buracos, e lombo de jegue, que nunca foi mesmo de reclamar de pouca coisa, são os veículos ideais para a viagem. Como bem recomendam, aliás, os moradores do lugar diante das queixas dos visitantes que se aproximam carregados de "frescuras" e de "nove horas" _ o mesmo que nenhenhéns.

A Guaribas pernambucana parece perto do Recife. É uma comunidade remanescente de quilombos situada no agreste, município de Bezerros, a 108 km da capital pela BR 232. É uma rodovia recém-batizada de Luiz Gonzaga, homenagem ao rei do baião, que muito bateu pernas por aquela estrada.

Tão perto, tão longe.

Na sede do município ninguém sabe direito para que rumo fica. No mapa convencional, trabalho perdido, gasto de vista à toa. No posto de gasolina, "Gua-o-quê, meu senhor?", perguntam os frentistas. Os motoristas de lotações nunca foram, os carros de feira nunca chegaram lá. O policial jamais apartou brigas naquele mundo, o poder público esqueceu o caminho faz muito tempo.

São mais 40 km de Bezerros até aquele pé-de-serra. Na estrada, ninguém dá notícia do povoado. Mas uma alma convicta e embriagada _ os cachaceiros são andarilhos _ finalmente tinha certeza do rumo. Não deu para chegar de carro no terreiro de Guaribas, mas o veículo ficou perto. Uma breve descida a pé. E, pronto, destino cumprido.

Esquecida desde que se tornou uma vila, no começo do século passado, a Guaribas piauiense entrou no mapa, como dizem os mais velhos da cidade, depois de se tornar vitrine e pioneira do programa Fome Zero, no início deste ano. Tudo cheira a novo por lá: as casas em construção, as escolas com adultos rabiscando o nome pela primeira vez, a água perto das residências, as cartas de amor da primeira agência dos Correios, os lençóis de algodão da pousada aberta recentemente, o esmalte forte do primeiro salão de beleza.

A xará pernambucana, nos grotões onde moram as famílias que descendem de escravos do século XIX, ainda vive o banzo do esquecimento. Os moradores ouviram falar da homônima piauiense pela TV. Como as áreas de quilombolas serão incluídas no Fome Zero, os moradores de lá imaginam dias melhores com as ações do programa. Não querem nada demais, só entrar para o mapa também.

13/07/2003 - 12h13

Berzoini anuncia que emendas à reforma previdenciária serão avaliadas

São Paulo, 13/7/2003 (Agência Brasil - ABr) - O ministro Ricardo Berzoini disse há pouco, ao chegar à reunião do Diretório Nacional do Partido dos Trabalhadores (PT), que todas as emendas apresentadas à proposta da reforma da Previdência serão avaliadas e que está sendo feito um estudo do impacto financeiro, previdenciário e político da matéria. "Vamos nos pronunciar nesta semana, através da consulta com os governadores e do posicionamento do presidente Lula, que dá a palavra final sobre o posicionamento do Governo", declarou.

O ministro entende que o principal trabalho no momento cabe ao Congresso. Segundo Berzoini, o processo das reformas exige muita tranqüilidade. "A tranqüilidade é o principal fator de garantia de as reformas ocorrerem", acrescentou.

13/07/2003 - 11h41

Ciência do solo é tema de congresso em Ribeirão Preto (SP)

Brasília, 13/7/2003 (Agência Brasil - ABr) - "Solo: Alicerce dos Sistemas de Produção" é o tema central do vigésimo nono Congresso Brasileiro de Ciência do Solo, a ser realizado de hoje até o dia 19, no Centro de Convenções de Ribeirão Preto(SP). Entre os temas a serem debatidos estão o papel da ciência do solo na produção sustentada de alimentos e matérias primas e a importância da agricultura na mitigação do efeito estufa.

O ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, participará da abertura do evento às 19h, quando lançará o Prêmio de Valorização de Iniciativas Inovadoras do Agronegócio na Ciência do Solo, promovido pela Sociedade Brasileira de Ciência do Solo (SBCS) em parceria com a Universidade do Estado de São Paulo (UNESP).

Deverão participar do evento cerca de 2.500 pessoas do Brasil e do exterior, entre engenheiros e técnicos de agronomia e geologia, cientistas, professores e estudantes universitários, empresários e representantes de outros segmentos. São 1.400 trabalhos científicos nas quatro conferências, 32 simpósios e mesas redondas, 12 palestras, 12 cursos e 12 visitas temáticas, que acontecerão no congresso. Paralelamente ao evento será realizada feira de equipamentos, serviços e insumos agrícolas.

Amanhã, o ministro vai abrir o Simpósio Internacional e Mostra de Tecnologia da Indústria Sucroalcooleira (SINTEC), às 14h, em Piracicaba (SP), onde estarão representantes de indústrias da China, Venezuela, Uruguai, Argentina, Peru, Bolívia, Colômbia, El Salvador, Cuba e República Dominicana. O objetivo do simpósio é criar oportunidades de negócios para o setor, divulgar novas tecnologias e incrementar o comércio de equipamentos e máquinas no Brasil e no Exterior.

13/07/2003 - 11h31

Inmet informa a previsão do tempo

Brasília, 13/7/2003 (Agência Brasil - ABr) - O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) informa a previsão do tempo para hoje, em todas as regiões do País.

Região Norte - Céu nublado com chuvas esparsas em Roraima. No noroeste do Pará, Roraima, norte do Amazonas e do Amapá - variação de nuvens e pancadas de chuva. Demais areas da região predomínio de sol. A temperatura estará baixas no Acre e em Rondônia.

Região Nordeste - No litoral entre a Bahia e o Rio Grande do Norte variação de nebulosidade com possibilidade de chuvas esparsas. Demais áreas da região, sol e poucas nuvens. Temperatura máxima em declínio no sul e leste da Bahia - entre 15º, na Chapada Diamantina, e 35º, no sertão nordestino.

Região Centro-oeste - Em toda a região sol e poucas nuvens. No norte do Mato Grosso a umidade do ar continuará baixa. Temperatura baixa no sul do Mato Grosso do Sul - entre 11º, em Goiás, e 34º, no norte do Mato Grosso.

Região Sudeste - No leste de São Paulo, céu encoberto com períodos de sol à tarde. No Rio de Janeiro e no Espírito Santo, céu nublado com chuvas esparsas. Demais áreas da região, predomínio de sol. Na Serra da Mantiqueira haverá formação de geada. As temperaturas estarão amenas no litoral e leste da região. As temperaturas vão variar entre 02ºC, na Serra da Mantiqueira, e 27ºC, no norte do São Paulo.

Região Sul - Céu nublado com chuvas esparsas, no Paraná. No litoral do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, variação de nebulosidade. Demais áreas da região predomínio de sol. Temperatura baixa com formação de geada no Rio Grande do Sul, serra, oeste e planalto catarinenses e no sul, centro e oeste do Paraná: -3º, na serra, e 24º, no oeste de Santa Catarina.

13/07/2003 - 11h29

Pauta de fotos Nº 2

Brasília, 13/7/2003 (Agência Brasil - ABr) - As seguintes fotos estão à disposição dos jornais na Internet.

1 - Guaribas (PI) - Tereza Rocha, 78 anos. (Foto: U. Dettmar - ABr - vert.1)

2 - Guaribas (PI) - Guaribas (Foto: U. Dettmar - ABr - hor.2)

3 - Guaribas (PI) - Guaribas. (Foto: U. Dettmar - ABr - hor.3)

4 - Guaribas (PI) - Guaribas. (Foto: U. Dettmar - ABr - hor.4)

5 - Guaribas (PI) - A rádio da cidade (Foto: U. Dettmar - ABr - hor.5)

6 - Guaribas (PI) - Vergonha de ter a casa com as paredes sujas. (Foto: U. Dettmar - ABr - hor.6)

7 - Guaribas (PI) - Severina e seu neto (Foto: U. Dettmar - ABr - hor.7)

8 - Guaribas (PI) - Vergonha de ter a casa com as paredes sujas. (Foto: U. Dettmar - ABr - hor.8)

9 - Guaribas (PI) - Guaribas. (Foto: U. Dettmar - ABr - hor.9)

10 - Guaribas (PI) - Contrastes. (Foto: U. Dettmar - ABr - hor.10)

11 - Guaribas (PI) - Guaribas. (Foto: U. Dettmar - ABr - hor.11)

12 - Guaribas (PI) - Silhueta dos trabalhadores com a seca. (Foto: U. Dettmar - ABr - hor.12)

13 - Guaribas (PI) - Silhueta da falta de água. (Foto: U. Dettmar - ABr - hor.13)

14 - Guaribas (PI) - Silhueta da falta de água. (Foto: U. Dettmar - ABr - hor.14)

15 - Guaribas (PI) - Silhueta dos trabalhadores com a seca. (Foto: U. Dettmar - ABr - hor.15)

16 - Guaribas (PI) - Guaribas. (Foto: U. Dettmar - ABr - hor.16)

17 - Guaribas (PI) - Guaribas. (Foto: U. Dettmar - ABr - hor.17)

18 - Guaribas (PI) - Guaribas. (Foto: U. Dettmar - ABr - hor.18)

19 - Guaribas (PI) - Guaribas. (Foto: U. Dettmar - ABr - hor.19)
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- De acordo com a legislação em vigor, solicitamos aos nossos assinantes e usuários a gentileza de registrar os créditos como no exemplo abaixo: nome do fotógrafo - ABr

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------Para receber as fotos da Agência Brasil, acesse a página da Radiobrás na Internet: http://sn-01.radiobras.gov.br/fotos/default.htm Informações poderão ser fornecidas pelo telefone (0XX61)327.1377.

IDM

13/07/2003 - 11h27

BNB comemora 51º aniversário mobilizano autoridades, pesquisadores e economistas

Brasília, 13/7/2003 (Agência Brasil - ABr) - Autoridades, pesquisadores, economistas, professores e estudantes reúnem-se nas próximas quinta e sexta-feiras, em Fortaleza (CE), para mais uma versão do Fórum Banco Nordeste de Desenvolvimento e do Encontro Regional de Economia. O evento, que marca a passagem do 51o aniversário de criação do BNB, será realizado nas instalações do Centro de Treinamento do Banco, no Passaré. No encerramento serão anunciados os vencedores dos prêmios "Banco Nordeste de Economia Regional" e "Talentos Universitários".

O objetivo principal da reunião, promovida anualmente pelo BNB e pela Associação Nacional dos Centros de Pós-Graduação em Economia (Anpec), é mobilizar a comunidade acadêmica e lideranças regionais em torno de questões relevantes para o nordeste. Conforme o economista Sydrião Alencar, um dos coordenadores, o evento já se firmou como marco e referencial técnico-científico de discussão de assuntos relevantes para o desenvolvimento nacional e regional.

13/07/2003 - 11h20

Céu nublado no Rio

Rio, 13/7/2003 (Agência Brasil - ABr) - O tempo hoje no Rio e Grande Rio é de céu nublado a parcialmente nublado, com possíveis chuviscos. Temperatura estável com a máxima prevista de 20º e a mínima de 12º. Ventos fracos a moderados. Segundo o Grupamento Marítimo de Salvamento, o mar está agitado, com ondas de meio metro. A temperatura da água é de 17º e as correntes estão de sul para leste.

No momento, os motoristas encontram o trânsito tranqüilo nas principais estradas que cortam o estado. Aeroportos Internacional Antônio Carlos Jobim e Santos Dumont estão abertos para pousos e decolagens. Este último opera por instrumentos.

13/07/2003 - 11h12

FNE injeta recursos na economia nordestina

FNE injetou R$ 218 milhões na economia nordestina

Brasília, 13/7/2003 (Agência Brasil - ABr) - As contratações do Banco do Nordeste com recursos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE) totalizaram R$ 218 milhões nos seis primeiros meses deste ano, 86% de tudo quanto foi aplicado em todo o exercício passado - R$ 254 milhões. Em relação ao mesmo período de 2002, registrou-se uma expansão de 164% no volume das operações. Do montante aplicado no primeiro semestre deste ano cerca de R$ 190 milhões foram viabilizados a partir da posse do novo presidente do Banco, economista Roberto Smith, em fevereiro.

Segundo Francisco de Assis Arruda, diretor da Área de Negócios e Gestão de Pessoas, do total aplicado este ano mais de 47% foram injetados no setor agropecuário, que ficou com R$104 milhões, contra R$ 114 milhões dos setores industrial, comercial e de serviços. No crédito rural, os pequenos e miniprodutores foram beneficiados com 82% dos recursos alocados, enquanto os médios e grandes produtores responderam por 18%.

Até o final da semana passada, os projetos em carteira totalizavam o montante de R$ 1,7 bilhão provenientes de todos os 11 estados da área de atuação do Banco. As propostas são relativas a investimentos de pequenos, médios e grandes empreendedores em diversos segmentos do setor produtivo regional.

Para o diretor Assis Arruda, o bom desempenho nas aplicações do Banco do Nordeste é conseqüência do conjunto de providências adotadas pela nova Diretoria no sentido de racionalizar a área operacional da Instituição, particularmente quanto à questão de uso dos recursos oriundos do FNE. Tão logo assumiu, o economista Roberto Smith orientou o corpo técnico do Banco quanto às novas estratégias e diretrizes para aplicação do FNE, como forma de maximizar seus resultados sobre o setor produtivo e o próprio processo de desenvolvimento da economia nordestina.

A adoção dessas medidas resultou de discussões entre técnicos do Banco e de sugestões e críticas recebidas dos governos de Estados onde o BNB atua. O presidente Roberto Smith e seus diretores estiveram com os governadores, empresários e lideranças debatendo com eles ações voltadas para o incremento e diversificação das aplicações do FNE.

As novas diretrizes obedecem a políticas seguras de avaliação de crédito para evitar os elevados índices de inadimplência observados no passado. Também estão sendo considerados aspectos como a missão da empresa, o crescimento com justiça social, a modernização tecnológica, a competitividade, a preocupação com o meio ambiente e a ênfase na geração de emprego e renda.

Os recursos estão sendo destinados às diversas atividades econômicas regionais, com ênfase para os setores rural e agroindustrial, sobretudo pequenos e microempreendedores.

O Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE) é resultado do trabalho dos parlamentares nordestinos durante a Assembléia Nacional Constituinte, de 1988. A partir da promulgação da Constituição, o BNB ficou com uma fonte permanente e estável de recursos que permite financiar os projetos de médio e longo prazo do setor produtivo regional, além de programas especiais direcionados para áreas específicas, como o semi-árido, e segmentos pouco beneficiados com o crédito, a exemplo dos miniprodutores rurais e microempresários urbanos, diretamente ou por intermédio de suas associações e cooperativas.

Segundo o SISBACEN, o Banco do Nordeste hoje responde por 77% de todos os financiamentos bancários na região nordestina. Os dados mostram também que de cada R$ 100 destinados ao crédito rural no Nordeste R$ 87 são originados do BNB.

13/07/2003 - 11h08

Pauta de fotos Nº 1

Brasília, 13/7/2003 (Agência Brasil - ABr) - As seguintes fotos estão à disposição dos jornais na Internet.

1 - Guaribas (PE) - Quilombolas - Filhos da comunidade. (Foto: U. Dettmar - ABr - hor.1)

2 - Guaribas (PE) - Quilombolas - Mulheres no campo (Foto: U. Dettmar - ABr - hor. 2)

3 - Guaribas (PE) - Quilombolas - Da esq. p. direita: Flávio José da Silva; José Levino da Silva; José Claudionor da Silva; Eduardo Pedro de Jesus; Renato Souza e Marcos Luiz da Silva. (Foto: U. Dettmar - ABr - vert.3)

4 - Guaribas (PE) - Quilombolas - Marcos Luiz da Silva. (Foto: U. Dettmar - ABr - vert.4)

5 - Guaribas (PE) - Quilombolas - Waldemar Lido de Souza. (Foto: U. Dettmar - ABr - hor.5)

6 - Guaribas (PE) - Quilombolas - Waldemar Lido de Souza; sua esposa, Maria de Souza, e netos. (Foto: U. Dettmar - ABr - hor.6)

7 - Guaribas (PE) - Quilombolas - Waldemar Lido de Souza. (Foto: U. Dettmar - ABr - ver.7)
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- De acordo com a legislação em vigor, solicitamos aos nossos assinantes e usuários a gentileza de registrar os créditos como no exemplo abaixo: nome do fotógrafo - ABr

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------Para receber as fotos da Agência Brasil, acesse a página da Radiobrás na Internet: http://sn-01.radiobras.gov.br/fotos/default.htm Informações poderão ser fornecidas pelo telefone (0XX61)327.1377.

IDM

Divulgar conteúdo